Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quiosque da Joana

handmade life

Quiosque da Joana

handmade life

18
Mai17

aconteceu mesmo.....

Joana Marques

O meu tio João, irmão da minha mãe morou muitos anos nos EUA.

Foi para lá estudar gestão. E ficou.

Apaixonou-se. Casou-se. E teve dois filhos.

 

Em 1986, o meu avô materno decidiu que já era tempo de se retirar das empresas.

Falou com os filhos todos e ninguém manifestou interesse em ficar no lugar dele.

Eram empresas da família que ninguém queria ver geridas por estranhos.

Vender? Também não era solução. Ninguém via com muito bons olhos a venda das empresas.

Estávamos num impasse. O que fazer?

Fomos salvos pelo meu tio João.

Voltou para Portugal com a mulher, a minha tia Ingrid e com os meus primos.

 

Chegaram em Abril de 86.

Primeiramente, ficaram em casa dos meus avós mas pouco depois arranjaram casa própria no Porto.

A minha avó Adélia, conservadora e 100% devota descobriu que o filho tinha casado apenas pelo civil.

E não, os meus avós não tinham ido ao casamento. Primeiro porque as viagens eram um pouco diferentes do que são hoje mas principalmente porque a minha avó não entrava num avião nem que estivesse em coma.

 

A descoberta de que o filho e a nora, já com dois filhos, não estavam casados pela igreja foi como se lhe tivessem arrancado um rim, a sangue frio. E tratou logo disso.

Nem se preocupou em perguntar ao casal, se por acaso estariam interessados em casar pela igreja. Não!

Arranjou tudo por ela e comunicou-lhes: dia 17 de Maio têm casamento marcado na Igreja de Santa Luzia em Viana do Castelo.

A minha avó já tinha organizado tudo. A parte religiosa, o copo de água e os convites.

O meu tio João e a minha tia Ingrid estavam-se nas tintas se casavam ou não. E não quiseram entrar em confronto. Aceitaram.

 

 

No dia 17 de Maio de 1986 tinha 5 anos.

Estava numa fase muito glamourosa da minha vida.

O meu pai tinha-me levado ao aeroporto, uns meses antes, para ver os aviões levantar voo.

A partir daquele dia comecei a dizer que queria ser um avião.

 

Três dias antes do casamento, Joaninha experimentou voar.

Em plena rua Ferreira Borges, em Campo de Ourique, atirei-me do cimo de uma árvore.

Foi a primeira experiência que fiz do género.

Mal sucedida.

Joaninha não voou.

Por acaso até voei mas não da forma como estava a imaginar.

O meu irmão que assistiu a todo este espetáculo levou-me para casa.

A minha mãe quase teve um ataque cardíaco.

Nas vésperas do casamento do irmão, a menina das alianças, eu, estava assim. Sem ponta por onde pegar.

Um galo na cabeça. Os joelhos esfolados. Os cotovelos todos raspados.

- O que raio é que te aconteceu?

- A Joana caiu. Respondeu o meu irmão. Sem referir que tinha caído de uma árvore.

Eu chorava. Tudo me doía...

Ou melhor. Eu não chorava. Eu berrava....

- Ai Deus mas como é que a Joana vai entrar na igreja neste estado. Atirava a minha irmã.

Tudo tem solução, menos a morte e eu ainda estava viva.

Aliás, até estava muito viva, pelo menos sentia muito bem as dores.

A minha mãe passou a noite a baixar a baínha do meu vestido. Branco. De princesa.

Eu a experimentá-lo para ver se se via os joelhos esfolados.

E a minha irmã passou a noite a aplicar-me gelo na cabeça.

Pomada às toneladas.

E mais gelo.

E pomada.

O galo acabou por ceder.

Sexta-feira quando rumámos até ao norte, mal se notava. E o vestido tapava os joelhos.

Mau, mesmo, é que a minha mãe não tirava os olhos de mim.

Medo que eu fosse contra uma árvore ou um poste de eletricidade.

 

O casamento era às 10h.

Chegámos um pouco antes.

A noiva atrasou-se imenso.

Não por ser noiva mas porque a minha tia Ingrid era mãe.

E uma mãe é uma mãe, mesmo no dia do casamento.

A minha avó Adélia espumava.

E a minha mãe sempre a controlar-me.

Quase morri de tédio.

Eu era a mais nova dos meu primos.

Eram todos rapazes excepto a minha irmã que já tinha 15 anos.

Ninguém me ligava.

Estava vestida de branco para levar as alianças.

E com a minha mãe sempre a olhar para mim.

Só que Deus é grande. E é meu amigo.

A minha avó Adélia chamou a minha mãe.

- João toma conta da Joana. Disse a minha mãe ao meu pai.

Ah! Estava entregue aos cuidados do meu pai. E queria ser um avião.

Não me dava por vencida.

Falhei à primeira mas não ia falhar à segunda.

Já tinha debaixo de olho um muro, capaz de testemunhar tamanha façanha. Aquele muro ia ver-me voar!

E sem o meu pai dar conta. Afastei-me. Subi ao muro. E atirei-me.

Voei??? Podemos falar sobre isso noutra altura?

 

Em menos de nada tinha ao meu lado a minha família toda.

A minha mãe desvairada.

- JOOOOOOOÃO foi só por um minuto! O que raio é que estavas a fazer??? Esta miúda precisa de 20 olhos nela..

Tentaram levantar-me mas tinha dores horríveis.

Estava paralisada do lado direito. Não me conseguia mexer.

Chamaram uma ambulância. Não havia telemóveis e foi também todo um filme.

Fui para o hospital.

Tinha a clavícula partida.

Escusado será dizer que a minha mãe, o meu pai e os meus irmãos não foram ao casamento do meu tio João.

Fiquei em observação mais um tempo. Como tinha ficado meia paralisada queriam ter a certeza que não era nada.

 

À tarde. À tardinha.

Apareceu o meu tio João e a minha tia Ingrid. Já casados.

Trouxeram-me uma fatia de bolo. Partiram o bolo de noiva mais cedo para eu poder comer.

E o meu tio João para me reconfortar disse-me assim:

- Joaninha, não estejas triste. Fica aqui combinado. No dia 17 de Maio de 2017 vamos todos comer bolo.

-?

- Em 2016 fazemos 30 anos de casados é uma data redondinha. Em 2017 fazemos 31. Comemoramos contigo...

- Ainda falta tanto!

Ao longo da nossa vida fomos falando sobre isso. Sempre a rir.

- Não se esqueça, tio, 17 de Maio de 2017!! Disse-lhe eu quando tinha 10, 15, 20 ...30 anos.

- Então Joaninha, não te esqueças dia 17 de Maio de 2017!! Dizia-me o meu tio pelos Natais, anos e sempre que falávamos ao telefone ou estávamos juntos.

Parecia algo inatingível.

Parecia impossível de alcançar. Tal e qual como eu querer ser um avião.

 

Ontem já passava das 16h e estava num parque aqui de Oslo. Para quem conhece Oslo estava no parque das esculturas. Recebo uma mensagem do meu tio João.

- Então Joana, como estás? Por onde andas?

- Estou bem.

- E onde estás?

- Estou em Oslo.

- Eu sei que estás em Oslo! Estás em casa?

- Não. Estou num parque.

- Como se chama o parque?

- Vigeland.

Estranhei...mas...

 

Qual não é o meu espanto quando passado uns 20 minutos recebo um telefonema.

- Ainda estás no parque?

- Estou.

- Nós estamos aqui junto a umas escadas que estão rodeadas de estátuas. Sabes onde é?

- Na Noruega?? Têm a certeza? Vocês estão em Oslo?

Respondi eu. Mesmo não acreditando já ia a caminho.

Com passo apressado a puxar o Vasco. Lento. Lentinho. O meu caracolinho....

- Joaninha. Hoje é dia 17 de Maio de 2017. Esqueceste-te?

 

E pronto.

Era uma vez, uma Joana que nunca conseguiu ser um avião. Mas que por ter tentado ser um, estava prestes a viver um momento tantas vezes falado mas assim mesmo...muito inesperado!

E ao longe avistei o meu tio João e a minha tia Ingrid.

E só tive tempo de me atirar para cima deles. Ninguém partiu a clavícula desta vez...

Comemorámos juntos os 31 anos de casados.

Comemos uma iguaria norueguesa que tem todo o aspeto de ser uma porcaria feita de batata mas era um dia especial!

oslo2 (2).jpg

E depois jantámos em minha casa.

 

Ontem foi a prova de que os milagres podem acontecer.

Mas para acontecerem temos de lhes dar uma mão?

Uma clavícula?

Não. Não!

Temos de querer ser um avião!

66 comentários

Comentar post

Pág. 1/3

Mais sobre mim

foto do autor

Um grupo no facebook para quem gosta de crafts!

  •  
  • Sigam-me

    Instagram

    Comentários recentes

    • A Hipster Chique

      Um pesadelo... eu já ajudei como pude.

    • Lady Di

      sem palavras

    • Milena Nunes

      Não há mesmo palavras muita força aos que ainda c...

    • Margarida

      Há uns anos, vi um programa do Jamie Oliver em que...

    • Aurea

      Terrível É imperativo ajudarmos todos os que foram...

    Arquivo

    Mensagens

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.