Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quiosque da Joana

handmade life

Quiosque da Joana

handmade life

13
Jun17

a partilha....

Joana Marques

Tenho uma amiga que conheci nos tempos em que eu era hospedeira.

Chama-se Marie.

É islandesa mas neste momentos mora nos Estados Unidos.

É professora universitária. No campo da robótica.

Casou com um Japonês.

Também ele professor universitário. No campo da robótica.

Têm um filho.

Adolescente.

Para mal dos pecados deles é mesmo um puto de carne e osso.

Não é um robot. Tem sentimentos e tudo.

O puto é tão diferente dos pais que os deixa de boca aberta com as coisas que diz.

Já caí no erro de almoçar com o casal.

É deprimente.

A conversa dos dois vai dar sempre ao trabalho.

E eu percebo muito pouco de robótica.

Sendo sincera...não percebo nada.

Quando uma pessoa está à rasca e quer à força toda integrar-se na conversa, fala do tempo, certo?

Certo! Até na Noruega funciona.

Errado! Com este casal ou falas de robótica ou falas de robótica.

 

Com ele nunca almocei sozinha.

Com a Marie já. E é diferente. A conversa já vai para outros campos, em que eu também posso dizer qualquer coisa.

Mesmo que estejamos em desacordo. Aprendo sempre alguma coisa.

Tem uma cultura. Um ponto de vista. E opiniões que me fazem pensar. E crescer.

 

Um dia num desses almoços explicou-me que estava a trabalhar e a fazer investigação tendo como objeto de estudo: "a cadeira de rodas".

Disse-me ela que tinha descoberto uma forma de fazer virar a cadeira de rodas com mais segurança.

Ao que eu perguntei:

- E o que vais fazer? Já regista-te a patente? Vais começar a produzir cadeiras? 

Já estava a imaginar uma fábrica a produzir cadeiras de rodas em série e a Marie a mudar-se com o seu japonês e o seu filho de carne em osso, para uma ilha deserta.

Mai Tai's, sol e mar, o resto dos dias deles....pensei eu que sou gestora de profissão.

 

Olhou para mim e disse-me.

- Não. Vou publicar a minha descoberta. E esperar que alguém pegue na ideia e a melhore. Se eu registar a patente durante um tempo ninguém pode mexer nisto e a descoberta fica estagnada. E queremos é que mais alguém trabalhe nisto e desenvolva o conceito.

 

Achei isto de um altruísmo sem explicação.

Digno de alguém brilhante. Não só de cabeça mas também de coração.

A partilha é dos atos mais nobres de um ser humano.

Dá a possibilidade de outros poderem pegar no que deixámos e assim tentar fazer melhor.

Se estivermos sempre a começar do zero, o mundo não avança. E não tenhamos ilusões, haverá sempre alguém melhor do que nós. E ainda bem. Só assim nos superamos.

Não querendo comparar-me com a Marie, nem com o trabalho espetacular que faz, posso de alguma forma partilhar o pouco que sei. E quem dá o que pode a mais não é obrigado.

 

Por essa razão criei o grupo handmade life.

 

Se eu tiver uma receita boa, qual é o mal de a partilhar. Porque raio vou guarda-la para mim?

Se eu descobrir uma loja mesmo, mesmo boa porque não partilharei?

Se encontrar uma página no facebook que tem peças únicas, não faz sentido guarda-la para mim, ou faz?

E sim eu tenho um blog, mas qualquer pessoa pode partilhar um post do seu blog, por exemplo.

Se tiver mais visualizações com isso, melhor. É mesmo para divulgar que a página serve. 

Podemos aprender todos uns com os outros.

E desta forma melhorar a nossa vida...mesmo que seja devagarinho...

 

25
Mar17

um granny por dia....

Joana Marques

Em Carcavelos tenho tanto fio que posso a qualquer momento abrir uma loja.

Quando me mudei para Barcelona levei alguma coisa. Pouco.

Só que descobri uma loja espetacular. Com preços do outro mundo.

Ainda fiz algumas coisas. Porque o tempo escasseava, contam-se pelos dedos de uma mão.

Neste momento em Barcelona tenho tanto fio que posso a qualquer momento abrir uma loja.

Se juntar Barcelona e Carcavelos posso abrir uma MegaStore.

 

Quando vim para a Grécia. Vim órfã de projeto.

E estar órfã de projeto. Entristece-me.

Mal cheguei percebi que tinha de arranjar qualquer coisa para fazer.

Encontrei uma loja da especialidade e comprei uma agulha nº3 e algodão fininho.

E comecei um novo projeto.

É um projeto longo. 

Deve estar acabado daqui a uns 6 meses. Porque é feito lentamente. Exatamente como eu gosto.

Todos os dias faço um granny square. Básico. Simples. E diferente. Pelo menos nas cores.

No fim de cada semana tenho de ter feito 7.

Ao fim do mês tenho de ter 30.

E só paro quando decidir o tamanho da manta. Ainda não sei. Logo se vê.

1 (1) (2).JPG

É assim que eu gosto de viver a vida.

Construída um pouco todos os dias. Acrescentada.

Flexível.

Resiliente.

Não é para desistir.

Nem trocar.

Porque quando achamos que vale a pena não se troca.

Nem se passa à frente.

 

Sem pressas e sem pressões.

Com tempo. O que vale a pena é demorado.

E já não estou órfã de projeto.

 

09
Mar17

anti-stress...

Joana Marques

Uma das coisas que me deixa zen e num estado de acalmia, tipo mar morto é o desenho.

Sempre que tenho tempos mortos. Começo logo à procura de uma caneta e desenho...

Depende da disposição, às vezes aparecem desenho mais adultos outras vezes mais infantis...ou então tudo junto!

Um destes dias estava eu a desenhar.

Desenhei um peixe.

Depois outro.

Um a rir. Outro sério...

Depois desenhei um risco e depois outro paralelo. Depois preenchi o que estava entre eles...

...é como aquela história da conversa ser como as cerejas....também podemos aplicar esse ditado aos desenhos...

 

Quando dei por terminado o meu maravilhoso trabalho , alguém me pediu para tirar cópia para o pintar....

Lembrei-me de o partilhar....

...como se fosse um daqueles livros para colorir para adultos que agora se usa...só que feito por mim...

 

Eu também estou a colorir o meu....

1 (3).jpg

Escolhi 5 cores.

Pinto 10 elementos de cada cor.

E pinto de 4 em 4 elementos.

E estou a aplicar a técnica mosaico.

Não está acabado....é um anti-stress é para se ir fazendo, com calma e sem perfecionismo...

 

 

19
Nov16

tricotar não é para meninos....

Joana Marques

peopleknitting_p47.png

 (homens a tricotar em público, Flórida 1918)

 

peopleknitting_p94.png

 (Um marinheiro italiano no início da Segunda Guerra Mundial)

tric14.png

 (trabalhador de uma fábrica, 1951)

 

 

tric.jpg

 (1880)

tric6 (1).jpg

 (taxista inglês, 1940, a tricotar entre viagens)

tric3 (1).jpg

 (rapazes de uma escola a tricotar para soldados da 1ª guerra mundial, 1918)

tric5.jpg

 (1939)

 

tric16.jpg

 (Joana Marques, 2016)

 

Todas as fotografias (à exceção da última)  estão num livro absolutamente delicioso: "People Knitting" de Barbara Levine.

 

Aproveitando a onda de pessoas improváveis que fazem tricot, neste site está outro exemplo!

Uma ternura!

Foi sugerido pela Ana Ferreira na caixa de comentários.

 (o Quiosque está no instagram e no facebook)

12
Nov16

something about christmas time...

Joana Marques

São tão fáceis de fazer e podemos fazer tantas coisas giras com eles:

pompom.jpg

(imagem retirada daqui)

Existem kit's para fazer pompons!

Este é da Phildar. É lindo!

Está à venda aqui!

Gosto tanto....tanto...

(tenho um........comprei nos chineses )

 dot.jpg

Acho que vou ter de comprar um para a minha sobrinha....

...Pode ser que ela não goste e eu tenha que ficar com ele...

Devias ter vergonha...Joana..

 (o Quiosque está no instagram e no facebook)

09
Nov16

Workshop...#2

Joana Marques

Enquanto fazia compras num supermercado em Barcelona descobri um placard.

Um placard maravilhoso.

Com todo o tipo de informação.

Workshops! Muitos!

E assim se dinamiza a economia!!

 

Vi um workshop que me interessou. Vários até. Um deles quis fazer logo.

Papel! Velho que vira novo!

Inscrevi-me.

O bom é que não tinha horas marcadas. Fiz em três dias diferentes. E a horas diferentes.

Não acabei a peça lá porque tinha um avião para apanhar. Terminei em casa.

 

Adorei!

Dá muito, muito trabalho!

 

Tudo começa com jornais velhos. Fazemos uma pasta com água e papel velho (neste caso jornais).

Depois de bem amassado passa-se por uma varinha mágica. Sim, a da sopa!

Depois deste processo coa-se a pasta. O meu formador usou uma meia. Diz ele que é o processo mais barato e que funciona melhor!

Acrescentamos cola e amassamos tudo.

E está pronto para modelar.

 

Escolhemos a figura a modelar.

Eu queria fazer um urso!!

Vejam o filme!!

Não foi um urso que saiu...

 

Depois da parte da modelação que para mim foi extremamente difícil, pintamos.

A parte da pintura fiz em casa.

 

O mais surpreendente...é que olhando para a peça ninguém diria que um dia foi um jornal!

 

 

...e já está marcado novo workshop....

 

(o Quiosque está no instagram e no facebook)

27
Out16

tempos livres #8

Joana Marques

No fim de semana passado queria ter ido ao Alentejo.

Até porque tinha 6 boas razões para lá ir.

Os meus netos!!

 

Na quinta-feira fiz serão no trabalho.

E na sexta apresentei-me com o saco de viagem pronto e com o Vasco.

Sim, o Vasco foi comigo para o trabalho.

Adora.

Ser o centro das atenções é a praia dele.

 

Às tantas já nem sabia dele.

Circulava entre a sala de trabalho e a copa.

À espreita de mimo de um lado e comida do outro.

Se o Rui (o veterinário) tivesse visto, tinha-me tirado a tutela do Vasco.

Sou uma péssima educadora e ficou mais uma vez confirmado!

 

O meu trabalho é uma treta. Adoro o que faço. Mas ando cansada. Muito cansada.

Cheguei a um ponto em que já não tenho paciência. Preciso de descanso e de paz.

Preciso de férias. Nem que seja uma semana.

Numa ilha deserta, pode ser?

O pior neste momento é que não consigo planear nada. Todos os meus planos saem furados. É mau para mim mas também para os outros. Não é bonito estar sempre a desmarcar. Não é bonito estar sempre a dizer: "hoje não posso".

 

Queria ter saído entre as 10h e as 11h da manhã para o Alentejo.

Afinal, almoço por cá, pensei.... e vou depois de almoço.

 

Depois de almoço já não vou...vou à tarde, antes da avalanche das 17h.

Não. Não fui.

Acabei por ficar por cá. Aparece sempre qualquer coisa para me estragar os planos. É incrível!

Fiquei mas o fim de semana não ficou estragado.

Retomando o meu hobbie anterior. Aproveitei para ampliar a minha parede de pratos.

Gostei do resultado.

as fotos estão más...eu sei!

sorry...

11(13).jpg

 

11(11).jpg

 

 

10
Out16

vai acontecer....finalmente, vai acontecer!

Joana Marques

Desde tempos imemoriais!

 

Temos isto:

ovelha1.jpg

 

transformado nisto:

ovelha2.jpg

 

e chegamos a isto:

ovelha3.jpg

 

Reparem no que eu fiz!

 

Tinha isto:

1 (2).JPG

 

E transformei nisto!

1 (4).JPG

 

E finalmente, vai acontecer...

Aguardo com alguma ansiedade, confesso!

A chegada da carta que me dará acesso a Hogwarts!

 

 

Vou ser colega do Harry Potter!

 

coracao-verde (1).jpg

O esquema para tricotar as ovelhas é daqui .

Foi tricotado em circular com 5 agulhas número 4.

O corpo das ovelhas está tricotado em fair isle.

Usei o fio merino4us da rosários4.

Para o pompom, laço e flor usei o cashmerino da Debbie Bliss.

 

 

Mais sobre mim

foto do autor

Um grupo no facebook para quem gosta de crafts!

  •  
  • Sigam-me

    Instagram

    Comentários recentes

    • A Hipster Chique

      Um pesadelo... eu já ajudei como pude.

    • Lady Di

      sem palavras

    • Milena Nunes

      Não há mesmo palavras muita força aos que ainda c...

    • Margarida

      Há uns anos, vi um programa do Jamie Oliver em que...

    • Aurea

      Terrível É imperativo ajudarmos todos os que foram...

    Arquivo

    Mensagens

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.