Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quiosque da Joana

02.12.17

um chá com uma rodela de limão....

Joana Marques

Os meus pais sempre fizeram uma a duas viagens ao estrangeiro a cada ano.

A primeira era feita na primavera e a segunda mais para o verão, outono.

Quando a minha irmã fez dez anos, o meu irmão tinha 5 e eu tinha nascido nesse ano, teve o privilégio de acompanhar os meus pais numa dessas viagens.

Aconteceu o mesmo com meu irmão quando atingiu os 10 anos. E mais tarde comigo.

Eu comecei a ir aos 8 anos. Porque, já se sabe, eu era chata. E tanto insisti que os meus pais lá me levaram.

Tive de sobreviver aos olhares mortíferos dos meus irmãos mas ainda assim..fui.

 

Gostei de tudo.

Eu queria ser um avião e por isso andar de avião foi o melhor que me aconteceu.

Fomos a Madrid.

Mais tarde, seguiu-se Paris. Londres. Roma. Amesterdão. Enfim, Europa. Voltámos a França, a Inglaterra e Itália para explorar mais cidades e recantos.

Também demos um salto a Cuba, porque estava na moda. E com os meus pais e irmãos fomos várias vezes esquiar a Andorra.

Eu e os meus irmãos fomos uns privilegiados.

 

O bichinho ficou cá.

Tantas vezes que passei pela Bertrand do Chiado para comprar guias de viagem.

O mal destas viagens em família é que não podia escolher o itinerário.

Pois, uma pessoa é pobre e mal agradecida.

 

Quando eu fiz 17 anos. Exatamente na minha festa de anos. O meu tio Nuno disse-me que uma companhia aérea estava à procura de hospedeiras. Deu-me o contacto.

Eu fiquei com o número de telefone no bolso durante uns dias. Passaram do bolso das calças, para o bolso do casaco. E depois para o estojo.

E depois liguei.

Deram uma morada na Avenida da República, a hora e o dia.

Fui. Sem um pingo de nervos.

Estavam lá umas 40 pessoas. Mais mulheres do que homens.

Carregadas de maquilhagem e com saltos de 10 cm.

Eu. Ao natural. Calças de ganga. E ténis.

Caiu-me a ficha. E percebi para o que ia.

Fizeram-me uma entrevista em francês.

E outra em Inglês.

Era fluente em ambas as línguas.

Porque a minha mãe fez questão de me pôr a aprender francês e inglês desde miúda.

 

Fizeram-me uma entrevista em português. Onde me colocaram várias situações que poderiam acontecer num avião e como resolveria.

A única experiência que tinha era de viajar. Lá fui respondendo.

Perguntaram-me também sobre a vida. E sobre tudo e sobre nada.

Com esta brincadeira faltei às aulas nesse dia.

E tive de contar em casa.

Se a minha mãe descobrisse através do diretor de turma nem queria pensar...

Quando souberam em casa. O meu pai achou graça. A minha mãe comeu-me o fígado.

 

Passados uns dias ligaram-me.

- Joana, é para lhe dizer que a formação começa segunda feira.

- Formação?

- Sim, para assistentes de bordo.

Quase tive um avc. Caneco. Como era possível.

Foi difícil esse período. Conciliar um 12º ano e uma formação. Foi tudo menos fácil.

Mais tarde percebi que só entrei porque tinha bom aspeto. E porque sabia falar francês e inglês.

Tinha uns centímetros a menos. E quase não entrei por isso.

A formação terminou. E eu comecei a aprender alemão. Isto porque de repente achei que tinha encontrado uma profissão de futuro.

Era menor. E em casa só autorizaram porque prometi que iria para a faculdade e só podia sair de lá com o diploma. Cumpri.

 

Foram anos espetaculares.

Por tudo. Pelas viagens. Pelos aviões. Pelas viagens gratuitas a que tinha direito. Pelo mundo todo que percorri.

Por perceber que sou uma gotinha minúscula sem importância. Viajar põe-nos no devido lugar em 3 tempos.

E sobretudo pelas pessoas que conheci.

Famosos, ou anónimos. Aprendi muito com eles. A querer ser como eles ou a não querer.

Aprendi a gostar de pessoas que achava que detestava. E também o contrário.

Saí porque me apareceu uma boa oportunidade na minha área de formação. Gestão.

Achei que devia crescer. E tentar alcançar outros objetivos.

 

Hoje entrei, num café. Perto da casa dos meus pais. No Estoril.

Com gesso. E muletas.

E ouvi.

- Joana! É a Joana, não é?

Virei-me. Mobilidade reduzida é assim. Olhei.

E dou de caras com um senhor. E uma senhora. As caras não me eram estranhas.

E veio-me à memória.

Lisboa-Rio de Janeiro.

Nem sei quando.

Ele tinha medo de voar. Muito medo.

A viagem foi calma. E estava um banco vago junto a eles.

E eu juntei-me. Aos dois.

Servi-lhe um chá com uma rodela de limão por cima.

Uma viagem longa que passou num segundo porque estava em boa companhia.

 

 

Hoje, parece que o tempo não tinha passado e conversámos como há 20 anos atrás.

Falaram-me das viagens todas que já fizeram.

Das vezes que falaram de mim.

Falaram-me dos filhos. E dos netos.

E da vida.

- Joana, foi por sua causa que eu perdi o medo de voar.

 

Pedi no café. Sem eles darem conta.

E voltei a servi-los....um chá com uma rodela de limão por cima...

...é um privilégio tremendo servir pessoas especiais....

 

 

36 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Joana Marques

foto do autor

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Comentários recentes

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D