Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quiosque da Joana

handmade life

Quiosque da Joana

handmade life

29
Mar17

uma conversa. Em português de Portugal!

Joana Marques

Estou em Atenas.

Depois de três semanas na ilha de Lesbos. Rumei até à capital. Porque estou de saída. E a última paragem é aqui.

As condições são precárias. E dolorosas.

A paciência e o discernimento já se foram. Há muito tempo.

Febril há duas semanas.

Passo os tempos mortos num parque. Porque tem wi-fi. E não me sinto tão longe do mundo.

 

Na segunda-feira estava eu no parque com o Vasco. Sozinhos.

Alguns voluntários que vieram comigo ainda estão em Lesbos. Porque ficam dois e alguns três meses.

Outros, que permanecem um mês como eu, ficaram a trabalhar.

Eu e o Vasco. Mais uma vez...

 

 

Ouço falar português. Português de Portugal...

Até me saltaram as lágrimas.

Viro-me. Estava um casal e um rapaz.

Meto conversa. Porque são portugueses. E me fazem sentir em casa.

Porque já estava há um par de horas a vagabundear pelo parque. E precisava de conversar com alguém.

E a razão principal. Eu tinha fome. E eles tinham bananas.

 

Alberto, 50 anos. Luísa, 48 anos. Paulo, 18 anos.

Uma família portuguesa. Na Grécia.

Alberto já tinha estado na Grécia quando era novo. Voltou a Portugal. Com a crise ficou sem emprego. Regressou à Grécia.

Deixou Luísa e o filho.

Entretanto, o filho acabou o 12º ano em Portugal. Não arranjou emprego e juntou-se ao pai na Grécia.

Vai começar a trabalhar no início de Abril.

 

Palavra puxa palavra. E as conversas são como as cerejas e convidaram-me para jantar em casa deles.

Lá fui.

Deparo-me com um jantar com tudo aquilo que não posso comer.

Se não estivesse doente. Tudo bem.

Febril há duas semanas. Não é boa ideia.

 

Queijo por todos os lados. Não!

Bifes com natas e cogumelos. Oh! Não! Não!

 

Lá tento comer qualquer coisa.

- Então Joana, não gosta?

- Gosto, sim. Mas.....

Lá lhe expliquei todo o meu historial de alergias e intolerâncias. E de como estava praticamente a desfazer-me desde que tinha chegado à Grécia...

 

- Ah! Pois, diz que isso tem a ver com a genérica! Diz a Luísa.

Achei que tinha ouvido mal....

- Genética???

- Não, não! Genérica, com o género da pessoa.

- Género? Feminino..

-

- Bem, a última vez que verifiquei eu era mulher...

- Não, não. A Joana não está a perceber. Tem a ver com a genérica familiar...

- Do tipo hereditário?

- Não, não é quem é otário...tem a ver com a propagação de uma pessoa para pessoa.

(tive de interromper a conversa e sacar da bombinha da asma....) 

E prossegui...

- Propensão? Tendência para ter uma determinada doença.

-Não. É assim....

Interrompo..

- Ok! Já percebi, já percebi...

 

Perdido por 100 perdido por mil....

...agarro-me aos bifinhos, às natas e aos cogumelos e mudo de assunto...

- E o tempo??

- Ai, estava tão bom...teve logo de aparecer uma neve fria...

- Névoa??

-Não, já viu o frio que está? Neve fria..

-

 

 .......desisti....

19 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Um grupo no facebook para quem gosta de crafts!

  •  
  • Sigam-me

    Instagram

    Comentários recentes

    • João Freitas Farinha

      Olha que se calhar até te identificas um bocadinho...

    • Graça

      É tão bom recomeçar todos os dias. Apreciar as peq...

    • Aurea

      Se nos deixamos cair na rotina esta pode trucidar-...

    • HM

      O que me apetece dizer é... não nos abandones... m...

    • João Freitas Farinha

      São mesmo!

    Arquivo

    Mensagens

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.