Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quiosque da Joana

Quiosque da Joana

o efeito dominó...

18.10.16, Joana Marques

Tinha 23 anos.

Tinha terminado o curso há uns dias.

Tinha sido promovida no trabalho mais ou menos há um mês.

Tanto tempo a suspirar pela promoção e calhou logo na altura em que tinha trabalhos finais da faculdade para entregar, frequências.

O meu irmão disse-me:

- agarra a promoção e congela o curso durante um ano. Para o ano com calma terminas.

Só que eu não gostava do curso.

Arrastei-me durante 5 anos.

Queria terminar o mais depressa possível para não ter nada a ver com aquilo.

 

Fiz voos que nunca mais acabava.

Estudava pelos aeroportos do mundo.

Trocava voos com colegas para poder estar na apresentação de trabalhos e nas frequências.

16 de Julho fui à faculdade ver a última pauta, a última nota.

Passei.

Acabei.

Nem queria acreditar.

 

Sentia-me completamente esgotada.

Consegui trocar voos com alguns colegas e tirar uns dias de férias.

Escolhi uma aldeia em Trás-os-Montes onde os meus tios têm uma casa.

Coincidiu com as férias deles e por isso não tinha de me preocupar com nada.

 

Um dia, enquanto fazia compras com a minha tia, encontrei um colega do trabalho.

Era de uma aldeia vizinha.

Não estava de férias mas aproveitava a estadia dos pais e passava lá os fins de semana.

- E se fossemos dar um passeio de bicicleta no próximo sábado? Disse-me ele.

- Pode ser. Disse eu, não querendo dar parte fraca. A verdade é que eu não sabia andar de bicicleta.

Fiz as contas.

Era domingo, até sábado tinha tempo de aprender.

 

Eu que sou muito competitiva e nunca gostei de perder, nem a feijões. Dediquei-me à causa....

 

.....TODA A SEMANA TREINEI....

 

Sábado chegou e lá fui eu, Joana, apresentar-me ao serviço. Toda contente com a bicicleta do meu primo Nuno...

- Tu não sabes andar de bicicleta...diz-me o Américo...

-

- Uma pessoa que ande bem de bicicleta, anda sem ter o rabo no selim...

Ó diabo...como é que me passou tal coisa.....

 

Outra semana desgraçada de treino. Incrível...eu que era uma corredora assídua, tive dores musculares onde nunca pensei ter....

Consegui andar de bicicleta sem o rabo no selim??

Claro que consegui...

Sentia-me o Armstrong..

..sem a parte do doping..

 

Sábado seguinte lá apareci eu. Respirava confiança por todos os poros..

Apareceu o Américo, a mãe do Américo, o pai do Américo e o irmão do Américo

Este último já tinha feito ciclismo de forma profissional. Respiravam ciclismo. Era o desporto preferido deles...sabiam tudo de tudo...

Íamos todos por um caminho de aldeia...eu à frente...para mostrar como se fazia...claro!

Joana...a camisola amarela....

Joana...a cortar a meta..

Joana...o prodígio do ciclismo nacional.....

E de repente...acordo para a vida e vejo à minha frente....

Uma vaca...

 

Não era uma vaca daquelas fofinhas brancas e pretas a comer ervinhas.....Não!

Não era uma vaca daquelas que aparece no anúncio a dizer...uma vaca feliz, outra vaca feliz....

 

Era uma VACA, mesmo VACA....daquelas com cornos retorcidos e com cara de poucos amigos...

.....também podia ser um boi...não tive tempo para confirmações....

 

-UMA VACA.

 

Gritei...para avisar o Américo e a família.....

Conforme grito...UMA VACA...dou uma guinada na bicicleta......

 

eu;

depois, o Américo;

seguindo-se, a mãe do Américo;

next: o pai do Américo

e, não sendo mais do que ninguém, o irmão do Américo....

 

.....os cinco magníficos nas palhas deitados, nas palhas estendidos...

....só que as palhas tinham picos e eram silvas.....

..............................................................................

....a vaca não sofreu qualquer dano...

 

Cheguei a casa da minha tia.

Parecia um Cristo.

As minhas pernas e braços tinham picos em cima de picos. E não só:

 

...não fiques só pelas pernas e braços...

.....se podes ter picos no corpo inteiro...

Joana, a peneira humana!

 

Contei a história.

O meu primo Nuno e o meu tio Luís riram durante 11 horas...pelo menos!

A minha tia Carminho só dizia:

- Como é que apareces neste estado à tua mãe...

Passámos um serão espetacular.

Eu estendida numa cama e o meu tio, primo e tia a tirarem picos do meu corpo com pinças......e ao mesmo tempo a desinfetar....

 

Passados 12 anos continuo a não gostar de perder nem a feijões...uma mensagem, assim como não quer a coisa ao Dortmund....

 

Actívia + Johnnie Walker*

17.10.16, Joana Marques

Quando penso, não sei muito bem porque criei o Quiosque.

Às vezes tenho a impressão que foi um erro. E como não foi a primeira vez, é a repetição do erro. O que ainda é pior. Esta sensação de erro tem a ver sobretudo com a falta de tempo. O deixar comentários pendurados quase um dia inteiro entristece-me. Os que me visitam merecem uma pessoa mais presente...

A sensação de que posso não ter tempo para escrever e ter de deixar tudo de um dia para o outro, também me deixa desconfortável...

 

A verdade é que tenho gostado muito. Sinto-me muito acarinhada e protegida.

As visualizações não são muitas. Sou visitada por meia dúzia de familiares e por habitantes da Sapolândia e pouco mais. Mas não deixa de ser bom.

Poucos mas bons!

 

Uma das premissas para a abertura do Quiosque foi o ser amigável, boa onda, um espaço do bem e da boa disposição. Não sei se consegui mas tenho tentado. Quero que seja sempre um espaço positivo.

Este post é uma excepção! E por isso peço desculpa...

 

Tudo começou com um comentário.

Sendo que esse comentário não era sobre um post, não era sobre mim, era sobre a vida de alguém que aparece de vez em quando no meu blog.

Ignorei.

 

O comentário evoluiu para mensagens. Tinham sempre a ver com a tal pessoa que visita o Quiosque.

Ora porque fazia favoritos nos meus post's e eu nos da pessoa em questão.

Ora porque eu fazia favorito nos post's da pessoa mas a pessoa já não fazia nos meus e por isso andava a gozar comigo. Ora porque eu tinha feito um gosto na página da pessoa. Ora porque a pessoa não fazia gostos na minha e por isso não queria saber de mim para nada.

Voltei a ignorar.

 

Recebi uma mensagem com o mail dessa pessoa porque segundo ela tinha informações preciosas para me dar sobre a pessoa que visita o meu blog.

Ignorei mais uma vez. Qualquer ser vivo com dois neurónios percebe que se ignorei é porque não estou interessada em saber nada. O que me leva a crer que tenho estado a ser contactada por uma pedra...

 

Entretanto, comecei a receber mail's com pormenores da vida da pessoa que eu não pedi. Segundo a minha informadora de estimação, a pessoa em questão é mau carácter, engana os outros e as outras, etc. (Só ontem recebi 3 mail's)

Sabem os Jihadistas?? Segundo os mail's que recebi, comparados com esta pessoa que visita o Quiosque são meninos do coro....volta Mohamed, estás perdoado!!

 

Queria voltar a ignorar mas parece-me que do outro lado não percebe a mensagem e por isso aqui vai...

 

* minha querida:

se não perceberes a mensagem lá de cima, pesquisa no google..

 

Actívia + Johnnie Walker

 

Eu comento o que quiser!

Marco os post's que mais gosto como favoritos e a querida não tem nada a ver com isso.

Se não colocarem os meus como favoritos é para o lado que durmo melhor..

Visito os blog's que me apetece!

Se não visitarem o meu, é a vida! É porque tenho de melhorar...

Na loucura das loucuras, pasma-te: faço gostos nas páginas de facebook que me der na cabeça.......

Mais, senta-te querida que a informação pode ser chocante, eventualmente até posso ser amiga dessa ou dessas pessoas porque vê lá tu! Sou eu que escolho os meus amigos e tudo!

 

Cuidado agora com esta última informação!

Antes que enfartes, põe um comprimido debaixo da língua se faz favor!!

 

Algumas pessoas que por aqui aparecem no quiosque, embora não as conheça pessoalmente, considero-as minhas amigas, têm boa cabeça, são interessantes e estão de bem com a vida...

Eu sei que para ti deve ser muito difícil de perceber estes últimos parágrafos.

Não desistas à primeira!

Faz um esforço!

Tu consegues!

 

Se não..

....caga no Actívia...

....e aposta no Johnnie Walker...e

......... junta-lhe Prozac...

Até podes ter a sorte de ter alucinações e isso deve ser o mais excitante que alguma vez tiveste na vida...

 

Advertência: é um post sério...

13.10.16, Joana Marques

Já aqui referi que sou asmática.

A falta de ar, a chiadeira e a tosse afetaram-me na infância mas sem provocar grandes estragos.

Ao contrário de muitas pessoas a asma manifestou-se mais a partir da idade adulta.

 

Aos vinte e poucos anos comecei a ter rinite alérgica.

Não liguei. Manifestava-se sobretudo quando acordava e andava bem o resto do dia.

 

Agravou e levou-me a ir ao médico.

Não deu grande importância disse-me que a causa devia ser do tempo, estávamos num inverno chuvoso.

Eu achei que não era isso, tinha estado de férias 15 dias num país quente e tinha tido exatamente os mesmos sintomas. Receitou-me zyrtec para quando precisasse.

Precisava todos os dias. Tomava um ao deitar e andava 24 horas bem.

Comecei a constipar-me 3 a 4 vezes por ano.

Comecei a ter tosse persistente.

 

Consultei um especialista.

Fiz análises e mais análises, exames.

Ácaros, era alérgica aos ácaros e fungos do papel, disse-me o médico que eram comuns no dinheiro, nas notas :(.

Triste, eu Joana era alérgica ao dinheiro.

 

O paraíso estava numa vacina que devia tomar de 15 e 15 dias, durante 4 anos.

Vamos a isso, agora ser alérgica ao dinheiro é que não.

4 anos depois: rinite, muita rinite, tosse, chiadeira, falta de ar...

Comecei a ter conjuntivites.

Muitas amigdalites.

 

O meu tio, médico, falou comigo e deu-me a conhecer o Yorktest.

Disse-me para o fazer que mal não me ia fazer e podia ser que descobrisse qualquer coisa..

Estava por tudo, se me dissesse vai ao professor Karamba...eu ia...

 

Fui (fazer o Yorktest...não ao professor Karamba!) e passado mais ou menos um mês apareceram os resultados.

Tinha intolerância alimentar a muitos alimentos.

Algumas intolerâncias estavam no nível mais alto: ovos e leite.

Seguia-se o fermento e mais alguns alimentos.

 

A nutricionista fez-me um plano alimentar.

O meu tio avisou-me para não deitar foguetes, apanhar as canas...podia não ser isto...

Mas era! Dois meses passados, comecei a ter melhoras repentinas.

Hoje sou saudável e raramente tenho asma.

Não é um milagre, não é a entrada no paraiso, exige muito esforço e força de vontade.

Até porque às vezes faço asneiras e volto a ter alguns sintomas.

Neste momento, são asneiras controladas feitas por uma pessoa que já se conhece bem.

 

As doenças inflamatórias podem ter por base intolerâncias alimentares.

Se for esse o vosso caso consultem o vosso médico.

 

Se quiserem saber mais sobre o yorktest podem ver aqui!

Aqui está o meu.

Estas são as duas folhas que mudaram a minha vida!

y2 (1).jpg

 

 

y3 (1).jpg

 

 

 

duas perguntas pertinentes...

12.10.16, Joana Marques

Na segunda-feira liga-me a Rita, a minha cunhada,  a perguntar se eu podia ir buscar o meu sobrinho Rodrigo à escola no dia seguinte. Ela tinha de acompanhar o pai a uma consulta, o meu irmão ia ter reuniões importantes, os meus pais tinham um almoço em casa dos meus tios e podiam não chegar a horas.

 

Como não tinha reuniões marcadas e muito do meu trabalho pode ser feito em casa, disse logo que sim.

 

Saí de Lisboa às 15h. Cheguei a Cascais meia hora depois e lá o fui buscar.

 

Não o queria levar logo para casa.

E também não queria ir com ele aos sítios do costume.

 

Peguei nele, em mim e no carro e fomos para Belém.

Pasteis de Belém connosco!

pbelem.jpg

Com a barriga cheia e outra disposição. Muito boa disposição.

 

Decidi levar o puto que tem 6 anos a ver a coleção Berardo no CCB.

É claro que com 6 anos muitas coisas lhe passam ao lado mas é importante habituar-se a frequentar estes ambientes.

Gostar e ter bom gosto também se aprende.

 

Comecei a circular com ele pelas salas e corredores.

A explicar-lhe episódios da vida de alguns pintores.

A contar-lhe a história de algumas obras, etc.

Vou tantas vezes ao CCB ver a coleção Berardo que podia perfeitamente ser contratada como guia.

Parámos num quadro excecional.

Que eu adoro!

Uma obra de Fernand Léger.

leger.jpg

O miúdo olha. Volta a olhar.

Damos outra volta.

 

Puxa-me para voltar ao Léger. Olha maravilhado. E pergunta:

 

- Tia?? O smartphone do Léger quantos megapixels tinha?

-

 

- Achas que o pai me compra um igual?

- Igual ao do Léger?? Claro que sim!

Sertã...

11.10.16, Joana Marques

Ainda sem ter tido férias e com o corpo a pedir ...POR FAVOR...para descansar..

Aproveitei o feriado, da semana passada, para ir trabalhar, pôr o trabalho em ordem e assim escapar quinta à noite para um fim-de-semana prolongado.

Os meus pais têm uma quintinha na Sertã. E foi o destino escolhido por mim.

sert3.jpg

 

Paz, sopas e descanso.

O facto de não ter acesso à internet, nem ter rede de telemóvel na casa dos meus pais, pesou e muito.

A verdade é que quando estou por Lisboa e penso nisso quase entro em parafuso mas quando chego à Sertã e sei que o telemóvel não funciona, nem me lembro da sua existência. É só em casa dos meus pais, na Sertã propriamente dita, existe internet e rede de telemóvel!

 

A Sertã fica no distrito de Castelo Branco. Na Beira Interior.

serta23.jpg

É por excelência o local ideal para descansar.

Fazer caminhadas.

Respirar ar puro.

Ouvir o silêncio.

E os pássaros.

Com bom tempo mergulhar na ribeira.

E este fim de semana esteve um tempo fantástico!

As noites e manhãs já frias...mas o resto do dia, perfeito!

s56.jpg

O tempo passou depressa.

Muito depressa!

Mas ainda deu para muita coisa.

Sem telemóvel o tempo rende mais!

O carro ia cheio. Eu também! De planos!

s45.jpg

Ler.

Caminhar.

Correr.

Tricotar.

Pintar.

Não cozinhei porque levava comida que tinha feito previamente.

Mas já que lá estava aproveitei para ir comer maranhos ao Ponte Velha .

Passei tempo de qualidade com o Vasco.

 

vascosert.jpgA vida é boa quando é simples!

 

E depois voltei....

 

Podem saber mais sobre a Sertã, aqui.

 

vai acontecer....finalmente, vai acontecer!

10.10.16, Joana Marques

Desde tempos imemoriais!

 

Temos isto:

ovelha1.jpg

 

transformado nisto:

ovelha2.jpg

 

e chegamos a isto:

ovelha3.jpg

 

Reparem no que eu fiz!

 

Tinha isto:

1 (2).JPG

 

E transformei nisto!

1 (4).JPG

 

E finalmente, vai acontecer...

Aguardo com alguma ansiedade, confesso!

A chegada da carta que me dará acesso a Hogwarts!

 

 

Vou ser colega do Harry Potter!

 

coracao-verde (1).jpg

O esquema para tricotar as ovelhas é daqui .

Foi tricotado em circular com 5 agulhas número 4.

O corpo das ovelhas está tricotado em fair isle.

Usei o fio merino4us da rosários4.

Para o pompom, laço e flor usei o cashmerino da Debbie Bliss.

 

 

animal doméstico...

08.10.16, Joana Marques

Para quem tem vontade, muita vontade de ter um animal doméstico...mas não pode ou não quer ter um cão.

E também não pode ou não quer ter um gato.

 

Um coelho é uma boa opção.

São animais muito queridos, com a sua personalidade própria.

Não existem dois coelhos iguais.

Fazem muita companhia. E interagem muito. Conhecem muito bem o dono.

Já tive a sorte de ter uma.

Chamava-se Constança. E viveu cerca de oito anos.

Só aceitava comida da minha mão. E festas também!

 

Aqui fica o exemplo do que conseguem fazer! E de como são irresistíveis.

 

O vídeo foi retirado daqui.

 

e tudo começou com...

07.10.16, Joana Marques

um destaque do sapo!

 

Foi o impulso que precisei para iniciar.

O princípio foi difícil e stressante. Desgastante!

Neste momento já consigo relaxar enquanto aprendo a fazer os diversos origamis.

 

Esta semana dediquei-me a aprender a fazer uma flor. Sakura.

sakura1.jpg

Para cada flor, precisamos de 5 quadrados de papel. Um para cada pétala.

Não achei difícil. O pior está na montagem da flor.

Vou começar a fazê-las com cores natalícias para pôr na minha árvore de Natal.

Vou aplicá-las também, em postais de Natal.

E, sim, eu ainda envio postais de Natal!

Personalizados!

 

3 (7).JPG

 

Aprendi por aqui!

 

 

Manel...

06.10.16, Joana Marques

Conheci o Manel na faculdade.

Depois de no liceu ter tido dois grandes amigos, o Gui e o Marc.

Este último o meu primeiro namorado.

O Manel foi o meu amigo da faculdade.

O melhor amigo.

Aquele que contamos tudo e mais alguma coisa. O amigo que nos faz rir até doer a barriga. Era e é uma amizade sem qualquer tipo de segundas intenções.

Eu tinha namorado.

Ele tinha namorada.

O meu namoro acabou aos 26 anos.

O dele continua até hoje. Tem 3 filhas. E casaram este Verão. Foi um dos casamentos mais bonitos que já assisti. 

 

O Manel era e é advogado.

Como não gostou do curso embora exercesse inscreveu-se em Gestão.

E foi aí que o conheci.

Nós os dois eramos diferentes do resto dos colegas. Ele era mais velho e eu embora tivesse a mesma idade dos outros já trabalhava. O Manel tinha contas para pagar ao fim do mês. Eu também porque já morava sózinha.

 

Durante o curso tive quatro cadeiras de direito que quase me mataram. Detestei. Deprimente, deprimente!

Ele como era advogado ajudou-me a estudar e passar com a nota minima.

Tive duas ou três cadeiras de informática.

E o Manel descobriu a sua vocação.

Adorava programar, inventar e inovar. Eu não percebia NADA!

 

A minha estratégia passava por ter a melhor nota que conseguisse na parte teórica para na prática que era programação propriamente dita...poder esbardalhar-me com estilo....

 

Comecei a fazer os trabalhos práticos com o Manel.

Ele programava e eu fazia o relatório...lindo e espectacular. O pior era a oral. A defesa do trabalho. E aí o Manel, pacientemente, pegava em mim e explicava-me como e porquê tinha feito aquilo de uma maneira e não da outra. Mais. O Manel dizia-me:

- Se te perguntarem...x, respondes y. Atenção se te perguntarem Z, não podes responder y tens de responder x.

Fazia que sim com a cabeça. Num interesse aparente mas sem perceber nada...de nada.

 

No quarto ano tivemos que fazer um trabalho de simulação. A cadeira tinha uma parte teórica dada por um Professor Doutor competente, nem simpático nem antipático. A parte prática, em que tinhamos o trabalho, era dada por um professor mais novo, assistente do Professor Doutor.

Já não me lembro muito bem, como era o trabalho mas sei que tinha uns camiões carregados de cereais.

Apareciam os camiões em movimento.

Tinhamos de depositar os cereais nuns silos.

De lado, tinha um contador, inicialmente a zeros, cada vez que os camiões depositavam os cereais nos silos, fazia aumentar o contador.

 

Ninguém da minha turma conseguiu terminar tal coisa.

À excepção do Manel.

Era ver os camiões pretos a circular alegremente e a largar os cereais e o contador a aumentar.

Tal como das outras vezes fiz o relatório.

Espectacular. Uma apresentação, top!

No dia antes da apresentação oral o Manel envia-me por email o trabalho. Olho para o trabalho, revejo o relatório.

Olho para o contador e tenho a brilhante ideia de mudar a cor.

Está a preto.

E se mudar de cor quando está a zeros?

Espectacular ideia, grande cabeça, Joana!!

Pensei em encarnado. Desisti.

E se fosse rosa? Boa! Vou ao código, escrito pelo Manel e mudo "black" para "pink".

Envio uma mensagem ao Manel a dizer o que tinha feito. Boa ideia, diz o Manel.

 

Dia da apresentação.

Anfiteatro. Tinha projector fixo.

Alguns colegas desistiram do trabalho. Outros aparecem com esperança de conseguir passar com a nota da parte teórica.

Começam as apresentações.

Lá aparecem a preto os camiões...

 

Eu e o Manel somos chamados.

Colocamos o nosso trabalho.

O Manel clica no iniciar.

E qual não é o espanto de todo o auditório e dos dois professores quando começam a aparecer camiões rosa choque...

Eu fico em choque como o rosa.

O Manel olha para a tela sem acreditar no que vê.

O professor assistente olha incrédulo e com horror. Foi seguindo o nosso trabalho nas aulas e os camiões estiveram sempre a preto.

E o Professor Doutor diz:

-Parece uma parada gay...

 

Eu desato a rir. O Manel desata a rir. O auditório inteiro ri....

Nunca me ri tanto em toda a minha vida. Saímos dali passados à cadeira. Eu tinha tido 18 na teórica fiquei com 14. O Manel ficou com 19. Muito merecido.

O Manel acabou a licenciatura nesse dia. Fomos comemorar. Acabámos a noite às 21h em Santos a comer caldo-verde. Deixou-me no aeroporto porque era assistente de bordo e tinha um voo para Nova York pela noite dentro.

 

Sempre que estamos juntos falamos dos camiões rosa choque. E como fizemos um anfiteatro vir abaixo...

Dizemos sempre que o Manel acabou a licenciatura na parada gay 2002!

 

O meu querido amigo faz hoje anos! Parabéns!