Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quiosque da Joana

Quiosque da Joana

hoje é sexta-feira!

13.01.17, Joana Marques

Gosto muito do meu trabalho.

Já pensei algumas vezes em mudar.

Sobretudo em alturas de maior desgaste.

Acabei sempre por ficar.

Porque gosto. Muito!

Gosto da equipa com que trabalho.

Gosto do ambiente.

Gosto da agitação.

Até os dias chatos são bons!

 

Agora que estou em Barcelona. Também estou a gostar.

Tenho muito trabalho. Cada vez mais!

Mas gosto muito do que estou a fazer.

Desafios difíceis é comigo.

 

Tal como em Lisboa.

O ambiente é excelente.

Adoro as private joke's que só nós percebemos. 

Adoro aqueles pequenos segredos que temos entre nós.

 

MAS:

hoje é sexta-feira!

E à sexta-feira há um momento que não se repete em mais nenhum dia da semana.

 

Aquele breve instante...

.... que nos despedimos...

......desejamos bom fim de semana...

...abrimos a porta para sair...

.........fechamos.....

..........e já estamos cá fora....

  

.....respiramos o ar da liberdade.......

........sentimos que a vida é nossa......

....que podemos ser o que quisermos..

....fazer tudo o que nos der na cabeça....

...e temos todo o tempo do mundo só para nós e para os nossos....

Felicidade no seu estado mais puro!

 

....existe alguma coisa melhor?? 

hummmmmmm!

Assim de repente...não me lembro de mais nada!

é sexta-feira 13?

o único azar é mesmo.....

...faltar muito para sair!

 friday (1).jpg

 

um post. Para levar a sério...

12.01.17, Joana Marques

Antes de começarem a rir.

Aviso que este post é MUITO sério!!

Quem acompanha o blog sabe que estou em Espanha.

Mais propriamente em Barcelona.

Se não tivesse o Vasco e agora o Romeu podia gerir isto de forma diferente..

Repartia a minha semana em duas e podia passar a sexta, o sábado e o domingo em Portugal.

Não todas as semanas mas a maioria das semanas.

 

Gosto da cidade. Quem não gosta de Barcelona?

Está tudo a correr bem. Gosto muito de cá estar.

Mas ao fim de algum tempo comecei a sentir saudades.

No início das pessoas.

Agora sinto saudades de tudo.

Dos locais, dos cheiros, das comidas. De Lisboa!

 

Há cerca de uma semana comecei a sentir saudades.

Saudades a sério.

Tão a sério que até já sonho com isso.

Sinto saudades de bacalhau..

 

Não leram mal.

É isso mesmo.

Tenho saudades de comer um bom prato de bacalhau.

Fui às compras.

Comprei:

- croquetes de bacalhau, douradinhos de bacalhau, lombo de bacalhau, filetes de bacalhau, bacalhau confitado, creme de bacalhau, supremos de bacalhau...só que nada disto é bacalhau.

 

Tive alguma esperança nos lombos salgados de bacalhau...mas também não sabem a bacalhau.

 

Tenho duas hipóteses:

- deixar aqui os meus dois bicharocos do coração, apanhar um avião e correr até ao restaurante mais próximo..

 - ou recorrer a vocês.

Perante esta calamidade, vejo-me obrigada a isso...a esta segunda opção!

 

Família e amigos (os que me conhecem de forma não virtual, claro!), vocês vão-me ajudar!

Como?

Fácil, fácil...

Vão pegar numa posta de bacalhau.

Embrulhar numa pelicula aderente.

Colocar dentro de um saquinho fechado.

Tudo dentro de um envelope almofadado dos CTT.

Enviar para mim.

Em menos de nada a minha cozinha vai cheirar a pasteis de bacalhau, bacalhau à Gomes de Sá, lasanha de bacalhau ou bacalhau com natas.

E eu vou ser uma mulher feliz!

 

Quem me ajudar vai ficar para sempre no meu coração.

Terá a minha gratidão até há minha centésima reencarnação.

E ficam desde já convidados a um jantar, em minha casa.

 

…adivinhem o que será o prato principal???

.....

Não……
erraram todos,
vou fazer pescada cozida com batatas....
.
.
.
.
mentira!!

 

Obrigada!

optimistic on board....

11.01.17, Joana Marques

Arranjei um método infalível para comprar pão.

Telefono para a padaria aqui do bairro e encomendo.

No dia seguinte passo lá.

Não entro, porque o Vasco está comigo, está sempre comigo.

O senhor da padaria vem cá fora.

Entrega-me a encomenda.

Pago.

Dizemos adeus.

 

Vinha eu com a minha encomenda de pão numa mão e com a trela do Vasco na outra quando olho e vejo o meu pai.

Pior, vejo o meu pai a estacionar uma carrinha de caixa aberta.

 

 

- Olha ali o meu pai.

- Qual pai, mulher? O teu pai está em Portugal.

 

- Tens razão não é o meu pai. Espera lá, é o meu pai é..

- Estás parva?? O que é que o teu pai faz em Barcelona ainda por cima dentro de uma carrinha de caixa aberta. Por acaso ele tem alguma carrinha de caixa aberta??

 

- Não! Tens razão! Não, não! Não tens razão! É o meu pai...olha o casacão castanho. O meu pai tem um casacão castanho...é mesmo o meu pai!

 

Estive nisto mais de 5 minutos a olhar para um senhor, que tentava estacionar uma carrinha de caixa aberta.

O senhor ficou tão atrapalhado por ver uma lunática de olhar franzido e fixo.

E tão perturbado que deixou a carrinha ir abaixo.

 

O Vasco olhava para mim.

Juro que o vi abanar a cabeça e pensar para os botões dele.

- Tão tolinha a minha dona...

 

Percebi que devia ir com urgência a um oftalmologista.

 

Desde os 15 anos que tenho uma miopia ligeira.

Desde os 15 anos que TINHA uma miopia ligeira.

Não deve ser tão ligeira.

Estive a um passo de chamar pai a um desconhecido..

 

Marquei a consulta.

Perguntou-me há quanto tempo não ia a um oftalmologista.

- Um ano, talvez...

- Tem a certeza?

- Uns 6?? ou 7...

 

Tinha aumentado um pouco. Nada de alarmante.

Costumo usar óculos em alturas de mais cansaço.

Ou lentes de contacto.

Disse-me para começar a usar de forma frequente.

 

E falou-me de uma cirurgia aos olhos.

- Pense nisso, vem no próprio dia para casa, no dia seguinte pode ir trabalhar.

Disse-lhe que não.

 

Deve ter percebido que estava sozinha e acrescentou..

- Se quiser pode passar uma noite na clínica e no dia seguinte já consegue ir sozinha para casa.

Voltei a dizer que não.

 

- Se usa óculos desde os 15 é natural que a sua miopia tenha aparecido um pouco antes. Vai conseguir ver como nunca viu. Todos os pormenores.

 

Tive de lhe explicar que não queria ver todos os pormenores.

Há vantagens em ver tudo? Tudo, tudo ao pormenor...

Não há...

Tenho uma auto-estima à prova de bala.

Acho que estou sempre com boa cara.

Nenhuma borbulha.

Nenhuma uma ruga.

Não encontro qualquer defeito em mim.

Para que raio é que eu quero ver mais do que isto?

 

Abençoada miopia!

Tem contribuído muito para minha felicidade!

... não é só, mas é também o segredo do meu otimismo...

Por isso não!

Obrigada mas não!

 

O oftalmologista riu-se....e não insistiu mais...

...e eu lá saí com uma receita para uns óculos novos e umas gotas para os olhos..

 

eyes.jpg

um almoço de negócios! Diferente...

10.01.17, Joana Marques

Todos nós temos pessoas que admiramos na nossa área profissional.

No meu ramo, há alguém que venero desde os meus 20 anos.

A Carolyn J. é alemã tem cerca de 50 anos.

Trabalha em Dortmund neste momento mas já trabalhou por todo o mundo.

Quando percebi que o Sporting ia a Dortmund enviei-lhe um mail.

Explicava-lhe quem era, que iria a Dortmund no início de Novembro e que gostaria de visitar a empresa dela.

É claro que enviei por enviar. Nunca pensei que fosse lido.

A verdade é que 15 dias depois recebo um email da secretária a confirmar a minha visita.

 

Em Novembro lá fui.

Nervosa e não era pelo Sporting.

Visitei a empresa, irmã da minha.

Vi o trabalho que fazem.

Conversámos.

Falei-lhe do projeto de Barcelona.

Sempre de forma acelerada e afogueada.

Ou não me chamaria Joana Marques...

Ela sempre muito sóbria, muito profissional.

E disse-me que gostaria de ir a Barcelona ver como é que funcionava.

Disse que sim, que seria bem-vinda.

Pediu-me o meu contacto.

Nunca pensei...

 

Em Dezembro liga-me.

- Joana? Daqui é Carolyn..

- Hummmm?

- A Carolyn de Dortmund..

Até me sentei...

Não podia ser..

Nem consegui dizer nada..ou até disse, mas nada de jeito..

Era para me dizer que gostaria de passar por Barcelona e ver o projeto em funcionamento.

Disse que sim.

Claro que sim.

Outra vez que sim.

E com medo que a senhora achasse que afinal eu até tinha um atraso mental...parei de falar.

 

E não é que tenho mesmo um atraso mental?

Não é que combinei com ela para dia 6 de Janeiro.

Dia de reis.

Espanha.

E não é que só me lembrei disso no dia 5.

 

Comecei a entrar verdadeiramente em pânico quando tentei fazer reservas em vários restaurantes e nada.

Uns estavam fechados.

Outros estavam esgotados.

Não podia levar a senhora ao Burger King da estação de serviço.

 

Comecei a pensar no sítio onde mais gosto de comer.

E não foi preciso pensar muito para perceber que esse sítio é a minha casa.

E foi assim que decidi que o nosso almoço seria em minha casa.

Eu, Carolyn, Vasco e Romeu.

 

No dia 5, tive uma reunião longa.

Os espanhois até reviravam os olhos.

E eu também porque percebi que já não ia encontrar nada aberto.

 

Tinha salmão.

Vegetais em bom estado.

Um arroz branco.

Sobremesa: o pão-de-ló da minha avó Adélia.

E foi assim.

Tudo simples.

Como se costuma dizer menos é mais.

 

Fui buscá-la ao aeroporto.

Disse-lhe que o almoço iria ser diferente.

Estranhou quando lhe disse para entrar no prédio.

Estranhou ainda mais quando lhe disse para entrar em casa.

 

Foi um almoço espectacular.

É uma pessoa ainda melhor do que eu imaginava.

É genial no trabalho que faz.

Muito simples.

Falámos muito.

E provavelmente por estarmos em casa os assuntos foram mais pessoais do que propriamente de trabalho.

 

Falou-me da família e pelas dificuldades que passaram.

Falou-me dos filhos. Do marido.

O Vasco portou-se bem!

 

E o Romeu.

Bem o Romeu é um gentleman...

...trata toda a gente aos beijinhos!

meet the kardashian...

09.01.17, Joana Marques

Acordei!

Com o meu despertador do costume.

Solícito como sempre.

Acho que dançou samba em cima da minha cama.

Saiu do quarto.

Passou pela cozinha.

Para petiscar alguma coisa antes de se deitar outra vez.

Aproveitar para descansar antes de sair de casa.

 

Ainda estava a pensar quem eu era, onde é que estava e para onde ia quando ouço um gemido.

Um grito.

Um uivo.

O meu coração dispara.

Salto da cama e vou ver.

 

Já estava na sala.

Tremia por todos os lados.

 

Partiu um dente?

Inspeciono a boca, o focinho. Nada.

Os ouvidos. Nada.

Vejo as patas. Nada.

Apalpo a barriga. Nada.

Começo a achar que está a ter um ataque cardíaco. Continua a tremer. Está gelado.

 

Ando aflita em toda a casa à procura do telemóvel.

Entro no quarto. Na casa de banho. Na cozinha.

 

Olho para todo o lado não vejo o telemóvel.

Continua num sofrimento terrível.

Treme. Geme.

Embrulho-o num cobertor.

 

Entro novamente na cozinha.

E lá está ela. Na sua vida.

Uma aranha.

 

Não era uma aranhita.

Era uma aranha.

Só uma aranha.

 

Daquelas que por muita teia que faça nunca chegará a tarântula.

A Kardashian das aranhas.

Era o que ela era.

 

Pego num guardanapo.

Mato a aranha.

Fecho-a no guardanapo.

Vou junto a ele e mostro o que tinha sido uma aranha.

Obrigo-o a ir comigo à casa de banho.

Deito-a na sanita.

Puxo o autoclismo.

Falo com ele como se compreendesse. Como se fosse uma pessoa.

- Vês?? Já cá não está. Já se foi.

vasco9 (1).jpgE ele?

Continua Inconsolável.

I-N-C-O-N-S-O-L-Á-V-E-L!

planear, planear, planear....

06.01.17, Joana Marques

Já fui uma pessoa muito pouco organizada.

Quando comecei a morar sozinha, foi-me difícil, nos primeiros meses gerir a minha vida: tempo, sobretudo o tempo.

A verdade é que com o passar dos anos fui aprendendo técnicas para o gerir melhor e consequentemente ser mais feliz.

 

Neste momento, sou uma organizadora.

E não passo sem isso.

Depois do Natal, da passagem de ano e da recuperação das festas...toca a planear.

É durante esta semana e a próxima que eu começo a preparar o novo ano, o novo tempo.

O meu objetivo é ter uma vida levezinha.

Sem preocupação, daquelas pequeninas que não matam mas podem estragar o momento...

 

Sei mais ou menos as quantidades que preciso de um determinado produto durante o ano.

E por isso, começo por ir às compras e comprar tudo o que não se estraga para o ano inteiro: produtos de higiene pessoal, detergentes, alguns medicamentos e até alguns alimentos que aguentam algum tempo em casa, por exemplo cápsulas de café. É a única altura do ano em que faço as compras online e peço para entregarem em casa.

Fico despachada desta parte.

Para todo o ano.

 

Uma grande parte do stress que tinha vinha daqui.

O não ter guardanapos em casa, ou pasta de dentes, por exemplo. Ser apanhada de surpresa.

Ou saber que não tinha alguma coisa, chegar muito cansada ou com outros planos e ter de ir às compras.

Ou ir às compras, comprar tudo o que não queria e não precisava, só porque sim e esquecer-me daquilo que tinha mesmo de comprar.

Assim, garantidamente tenho sempre tudo. E não compro nada que não precise.

 

No inicio de cada mês planeio as refeições.

Sempre por baixo.

Deixo espaço para eventuais refeições feitas fora de casa ou refeições que compro já confecionadas.

Stressava-me muito chegar a casa, cansada, sem vontade de cozinhar e acabar por comer porcarias.

 

Tenho uma lista de pratos que costumo fazer regularmente.

Tenho apontado todos os ingredientes de cada prato.

É só verificar se tenho em casa e apontar na lista de compras.

 

No inicio do mês depois de escolher as refeições, passo pelo supermercado e compro os ingredientes que não se estragam e que vou precisar durante esse mês. Por exemplo: carne, legumes congelados (só se tiver de ser), iogurtes (quando não tenho tempo de os fazer em casa), etc.

Alguns pratos pré-cozinho.

Para facilitar o dia a dia.

E congelo.

Escolho um sábado à tarde para a tarefa.

 

Em algumas semanas praticamente não vou às compras ou basta-me passar pela frutaria aqui do bairro e evito aqueles hipermercados gigantes. Onde se perde muito tempo e dinheiro. Ah! E paciência...

 

Poupar tempo para fazer o que mais gosto.

É desde sempre a minha luta.

E tenho conseguido!

 

Deixo aqui alguns ficheiros que uso habitualmente para planear e organizar a minha vida.

Nada de especial. São tabelas datadas. Mas que fazem a diferença na minha vida.

E agenda? Perguntam vocês...

Uso no trabalho. Em casa prefiro algo em que consiga visualizar o global e não apenas dois dias a uma semana.

 

O primeiro é um calendário anual.

 

Normalmente está no escritório num placard de cortiça. Aponto aqui várias coisas.

Fins de semana que conto ir para fora. Workshops que quero fazer. Planos a longo prazo. Aniversários.

 

O segundo é um calendário mensal.

 

Está na porta do frigorífico.

É o mais importante de todos.

Na coluna do mês faço a lista de compras.

Depois em cada dia coloco aquilo que acho pertinente. Por exemplo: as refeições, tarefas, ou simplemente os km que penso correr.

Quando preciso uso vários ao mesmo tempo.

 

O terceiro é um calendário semanal.

 

Não uso muito e por isso vou fazendo conforme preciso.

Normalmente tento ficar-me pelo mensal. Ou corro o risco de me desorganizar em vez de organizar.

Aqui deixo um preenchido e outro em branco para que possam adaptar.

 

Espero que seja útil!

Bom ano!

 

smartphone? Não! SmartGirls!

05.01.17, Joana Marques

Fui ao cabeleireiro.

Andei por aqui a pesquisar e acabei por ir a um, perto da minha casa.

O Vasco, não fica em casa sozinho foi comigo.

A cabeleireira, Rosangela, de sua graça, olhou para mim depois para o cão. Olhou outra vez. Sorriu e entrámos...

 

Nené e Mimi, duas tiazorras arranjavam o cabelo. Nené 84 anos, Mimi 83.

Nené?? Really? Custava pôr no meu caminho uma Gelsonette Martins??

 

Estavam felicíssimas, no Natal tinham recebido, cada uma delas um smartphone.

Consultavam o facebook, o instagram, gozavam com as fotos das amigas.

Eu esperava pela minha vez. É claro que era impossível não me meter na conversa...é mais forte que eu.

 

Às tantas, Nené diz:

- Instalei ontem o WhatsApp. Já estive à conversa com o "não sei das quantas".

Cheirou-me que o "não sei das quantas" devia ser um ex...ou coisa parecida.

 

- Tens WhatsApp?? perguntou-me.

- Não, tenho messenger.

- Não tens WhatsApp?? Tens de ter. O messenger gasta a bateria num instante. Como não tens WhatsApp?? E viber??

 

Viber?

Credo!

Será alguma coisa que ela usa com o "não sei das quantas".

Involuntariamente olhei para ela, franzi a testa, engelhei o nariz, denunciei-me..

-Não sabes o que é o VIBER?

-Não....mas sei o que é a bimby..

 

Entretanto, Rosangela, mete-se na conversa.

Graças a Deus.

Não vá Nené e Mimi perguntarem-me o que é que aconteceu na "web summit".

- Não gosto nada das novas tecnologias, só servem para nos afastar da realidade e das pessoas.

 

Nené e Mimi, ficaram iradas...

- Não, não afastam...aproximam! Disse Mimi.

Puxa do seu smartphone e mostra a agenda cheia de marcações.

 

Utiliza o Facebook, WhatsApp e todas as aplicações instaladas para estar em contacto de forma rápida e eficiente com os amigos, usa a agenda para não se esquecer de nenhum convívio que a cabeça já não é a mesma.

Nenhuma delas é escrava do telemóvel usam-no para se manterem contactadas, informadas e disponíveis.

 

Smartgirls!

SmartAge!

 

E Rosangela?

Rosangela tem umas mãozinhas.

De ouro!

O meu cabelo ficou um espetáculo...

vida de cão...

04.01.17, Joana Marques

Sempre foi um preguiçoso.

Ou então é normal e eu que sou hiperativa, acho-o preguiçoso desde o primeiro dia.

Como veio para minha casa doente, fui-lhe dando um desconto e mimando o bicho até à exaustão.

Quando deixou de ser cachorro achei que tinha um companheiro de corrida.

Comecei a leva-lo comigo. Ele acompanhava.

Ganhou confiança. Acompanhava-me mas começou a protestar.

Ganhou mais confiança e na hora de sair de casa começou a fingir-se de adormecido.

Conquistou mais terreno e sempre que me via equipada fingia-se de adormecido e na hora de sair de casa começou a esconder-se, normalmente com o focinho debaixo da cama e o resto do corpo de fora.

 

Em Barcelona.

Não fica sozinho em casa.

Quando me vê equipar faz um ar triste e miserável.

Na hora de sair de casa geme tanto. Parece que lhe estão a arrancar o fígado pela narina esquerda.

Depois com um passo curto e vagaroso lá se digna a sair de casa. Sempre queixoso.

 

Desde que estou em Barcelona, nunca mais fiz um treino de jeito. E que falta me tem feito.

O Vasco pára para admirar todos os edifícios.

Os carros, os passarinhos e os outros cães.

Batiza todas as árvores com xixi.

Volta para trás e faz mais xixi.

Faz cocó. Eu apanho o cocó.

Que treino espetacular.

A Carolina Patrocínio está quase, quase a pedir-me a receita.

Já se fala que a Bertrand me vai convidar a escrever um livro sobre este novo tipo de treino.

 

Já diminui a quantidade de km. 6 km. E mesmo assim queixa-se.

Hoje.

A meio do trajeto.

Faltavam 3 km.

Daqui não saio. Daqui ninguém me tira.

vasco12 (2).jpg

Mentira.

Daqui até saio.

Ao colo! Se faz favor!

30 kg de fofura ao colo da Joana.

Mereço ou não mereço ser editada pela Bertrand??

Para além de correr até já levanto pesos...

 

Frio, tem piedade dos solteiros...

03.01.17, Joana Marques

Quem fala do aquecimento global, nitidamente não me conhece...

 

Sou friorenta.

Muito friorenta.

Tenho frio!

Muito frio.

 

No inverno o calçado é comprado dois números acima. 

Assim consigo calçar um número indeterminado de meias...

Sinto-me uma alheira de Mirandela, entre camisolas de lã e casacos e mais casacos. Gorro. Cachecol. E luvas.

E eu que passo a vida a perder as luvas. Ou melhor uma delas. Para onde é que vão as luvas perdidas mesmo?

E isto tudo ao mesmo tempo para gerir? É que com luvas nada está seguro nas mãos.

 

E a correr?

Calças felpudas e largas.

Meias grossas, uma t-shirt e um casaco polar vestido.

E cachecol.

E gorro.

 

E dormir?

Um edredão daqueles que se usam nos países nórdicos.

Lençóis polares.

Pijama polar.

Meias!

Um saquinho de água quente revestido de tecido??? Polar, obviamente.

Moro na Penísula Ibérica mas o meu corpo acha que está na Sibéria.

 

Os pés gelados.

As mãos gretadas, os lábios roxos e secos

Dor de garganta...ó céus!

 

Detesto o frio. Não vejo qualquer vantagem no frio.

E depois lembro-me que estou solteira.

Deve ser por isso que tenho ainda mais frio.

 

As pessoas que gostam do frio devem ter alguém.

Alguém que amam e que aquece a vida delas...

Abraçar a pessoa que se gosta aquece o corpo e a alma.

 

Ver um filme.

Embrulhados numa mantinha.

Uma tarde fria e chuvosa.

É um programa do caraças....

 

Ver um filme sozinha numa tarde fria e chuvosa...é só frio..

 

Frio, tem piedade dos solteiros.

Dá-me tréguas e algum tempo.

Não quero errar outra vez.

Haverá alguma coisa mais fria que um amor que não deu certo?

 

o melhor presente de todos...

02.01.17, Joana Marques

Todas as semanas o meu irmão ou a minha cunhada passam por minha casa (em Carcavelos).

Regam as plantas, dão uma olhadela no correio.

Na semana passada o Sr. Ludovino encontrou o meu irmão que lhe disse que vinha cá passar a passagem de ano.

O Sr ludovino foi a casa e entregou um saco ao meu irmão com o meu presente de Natal.

 

O meu irmão e a minha cunhada chegaram na sexta à noite.

E com eles o presente do Sr. Ludovino.

 

Respirei fundo.

Relembrei os últimos Natais. Veio-me à cabeça todos os presentes...

 

E disse:

- Espero que sejam umas meias...

1 (5) (1).JPG

 O meu irmão olhou para a minha cunhada e escangalharam-se a rir...

- Acho que não são meias. Disse o meu irmão.

 

1 (17).JPG

- São umas meias são! Pensam que é carnaval...e mascararam-se de frigideira...

Disse eu quando tirei o que estava dentro do saco...

 

 

E por causa das tosses e dos gozos.....fui experimentá-la..

Panquecas!

 

...aqui está ela em ação....

1 (29).JPG

 e a bichinha continua concentradíssima...

 

1 (30) (1).JPG

 

E o resultado final!

Panquecas vegan, com cobertura de caramelo e frutos vermelhos...

1 (1) (1).JPG

Foi o presente mais inesperado de todos. Obviamente.

Não me recordo, de alguma vez, ter pensado:

- Ó quem me dera receber uma frigideira...

Ou:

- I have a dream...o que eu queria mesmo era uma frigideira..

Ou, então:

- Dou um rim e 1/2 por uma frigideira...e se for preciso penhoro o fígado..

 

Tendo em conta os acontecimentos, andava em baixo.

Não era em baixo era mesmo, mesmo em baixo.

Só me apetecia chorar, ficar de pijama o dia inteiro e comer atum, diretamente da lata, durante as próximas três semanas.

Até o meu despertador oficial notou e era cada vez mais persistente ao acordar-me. É bicho teimoso. Não desiste à primeira.

 

Só algo desta magnitude me conseguiria descongelar...

...o universo e o Sr. Ludovino trataram do assunto!

E a Joana voltou. Não completamente. Vai voltando aos poucos.

 

Quase tive uma distensão muscular. Estive a um passo de deslocar o maxilar de tanto rir..

E o resultado final? Acham que é possível alguém ser infeliz a comer estas panquecas?

 

Sr. Ludovino, a desmistificar o Natal desde 1930!

 

Já agora deixo a receita...

Panquecas Vegan:

- uma banana

- um iogurte de soja

- meia chávena de chá de água

- uma chávena de chá de farinha

- uma colher de óleo de coco

 

Juntar os ingredientes todos num liquidificador ou passar pela varinha mágico.

Colocar um pouco de massa numa frigideira e deixar cozinhar.

Colocar ou não cobertura.

(o sucesso desta receita tem a ver com a quantidade certa de farinha, se colocarmos a menos não fica nada de jeito...)

 

E agora?

Agora o céu é o limite...

Joana na corrida a uma ou duas..........quem sabe três estrelas Michelin..........