Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quiosque da Joana

Quiosque da Joana

da Noruega para Portugal. Com Amor!

14.05.17, Joana Marques

Segunda feira não trabalho e por isso aproveitei para passar o meu primeiro fim-de-semana fora.

Combinei com uma amiga, portuguesa, que chegou na sexta.

Alugámos uma cabana.

Para podermos viver a Noruega tal como ela é.

Num local sem eletricidade.

E sem televisão.

Sem internet.

 

Para me ligar ao mundo tenho de ir ao café local. Um pouco distante da cabana. Uns 15 minutos de carro.

Depois de termos passado um dia a explorar e a viver o local passámos pelo tal café para dar notícias.

Ligámos à família, trocámos sms com amigos, etc.

No café, muito mais afáveis que as pessoas de Oslo, convidaram-nos para nos juntarmos a eles à noite, para vermos a Eurovisão.

Falámos uma com a outra, perguntei se o Vasco podia estar com connosco. Resposta afirmativa.

 

Já não via a Eurovisão há demasiados anos.

E este ano só tive vontade porque estava fora.

E quando estamos fora sentimos o país de forma diferente.

 

Ouvi pela primeira vez a música do Salvador esta semana. Lá está, porque a Eurovisão já não me dizia nada.

Quando ouvi a música achei o arranjo musical muito bom.

A letra muito bonita.

É tudo muito simples.

A voz enquadra-se na perfeição, na música.

Achei o Salvador muito peculiar.

No início estranhei mesmo...

 

Vi a Eurovisão, aqui, no fim do mundo, acompanhada de uma portuguesa, a minha amiga e de muitos noruegueses.

Quando o Salvador cantou chorei que nem uma Madalena.

Afinal estou longe. E as saudades são tantas!

Vibrámos todos com a canção portuguesa e claro com a da casa. Que também se ouve bem.

Votámos em peso, em Portugal.

Neste café, norueguês, onde ainda estou, a escrever este post, votámos apenas e só em Portugal.

 

Sofremos todos.

No fim do mundo, numa terrinha perdida na Noruega, gritámos por Portugal.

Foi um dos dias mais emocionantes da minha vida!

Rimos.

Chorámos.

E no fim ganhámos.

 

 

Obrigada!

Gil Vicente!

Camões!

Fernando Pessoa!

Obrigada, Luísa Sobral!

A língua portuguesa é a mais bonita do mundo....

 

Festejámos diante de travessas cheias de bacalhau!

Senti-me em casa.

Fomos um país só....Portugal!

bac.jpg

 

sabiam que....

12.05.17, Joana Marques

A manga!

Para além de ser deliciosa, é uma fonte rica de fibra, antioxidantes, vitaminas e minerais.

É pobre em calorias mas rica em nutrientes!

 

Como tem vitamina A, B6, C e E é extremamente eficaz no cuidado da pele.

A vitamina A ajuda a uma boa visão. Como é um alimento alcalino ajuda a ter digestões mais fáceis.

As vitaminas contidas na manga reforçam o sistema imunitário prevenindo infeções.

A vitamina B6, ajuda a produzir um neurotransmissor chamado gama-aminobutírico.

Os seus antioxidantes são bons para prevenir o cancro, porque ajudam a nível celular.

Melhora também o funcionamento das artérias.

Como contém ferro ajuda na construção de células vermelhas do sangue prevenindo o aparecimento da anemia.

 

Não é uma fruta que dê muito jeito comer fora de casa.

Por isso costumo transformá-la em mousse. Um receita super fácil.

Caso para dizer: menos é mais!

 

Mousse de Manga

- uma manga

- 10 cl de leite de coco

Tudo no liquidificador.

Colocar em tacinhas e reservar no frigorífico.

Decorei com chocolate.

1 (5).JPG

nota: ao comprar o leite de coco olhem para o rótulo com atenção. Não comprem nada que tenha aqueles E's horríveis...

Se não gastarem o leite de coco todo. Congelem para não se estragar.

 

Se fazem receitas espetaculares, ou qualquer outro trabalho a nível manual: tricot, costura, pintura, etc; o grupo handmade life é para vocês!

 

 

Follow this blog...#7

12.05.17, Joana Marques

Sou completamente apaixonada por crafts.

Ou eu ando distraída, ou aqui no sapo não encontro muitos blogs dedicados ao tema.

 

Um dos blogs que sigo é o blog da Sofia.

A Sofia trabalha o feltro de uma maneira tão gira.

Tem imaginação.

As peças são tão perfeitas!

 

Uma peça destas pode ser um complemento perfeito num quarto de criança.

Numa peça de roupa.

Ou num carrinho de bebé, por exemplo.

As aplicações são muitas.

 

Um dos blogs do sapo que recomendo...porque eu adoro espreitá-lo!

 

a segunda aula de norueguês...

11.05.17, Joana Marques

Saí diretamente do trabalho para a aula.

Cheguei muito cedo.

Sinto alguém a correr atrás de mim.

São os irmãos nepaleses da minha primeira aula. A eles juntam-se os gregos.

Dão-me beijinhos. E mostram-me as mochilas novas que receberam.

Um deles mostra-me contente um carrinho miniatura que um amiguinho norueguês lhe tinha dado.

Um pequeno tesouro. Lembrei-me dos meus sobrinhos que têm um quarto cheio de bugigangas que não ligam nenhuma...

Na relva do jardim. Acabamos os cinco a comer framboesas e nozes que eu tinha para comer antes da aula começar.

 

Quando faltavam 10 minutos para a aula, despedi-me deles e subi.

Fiquei à porta.

Lá nos deixaram entrar. Sentei-me do lado da janela na segunda carteira.

O mais atenta possível. Tenho mesmo, mesmo de passar no exame.

Não me está nada a apetecer pagar as aulas de História de Arte. As coisas onde eu me meto...

 

Somos 16.

Tenho ideia que na maioria são refugiados que estão a recomeçar a vida na Noruega.

Duas brasileiras.

Um americano.

Não sei nada sobre ninguém porque na aula das apresentações estava na turma errada.

E um professor. Muito amigável.

 

Agora quem está confusa sou eu.

Já me tinha conformado a tratar os homens como pedras da calçada.

Este parece uma pessoa normal.

Deu-me as boas vindas. Verificou o dossier que me tinham dado. Tinha exercícios para putos. Trocou algumas folhas.

Eu com um ar de poucos amigos. Porque fiquei traumatizada com a história do Hans.

 

O professor iniciou a aula. Muito mais dinâmico que a professora que tive a semana passada.

15 alunos concentradíssimos.

Eu incluída.

Eu não quero pagar as aulas de História de Arte.

Eu não quero pagar as aulas de História de Arte.

Eu não quero pagar as aulas de História de Arte.....

Os outros 14 porque devem querer ficar no país em definitivo e por isso têm de passar no exame. Têm 5 anos para o fazer mas segundo percebi as duas brasileiras já lá estão há algum tempo.

E depois temos a barbie. A barbie americana.

Chama-se Sam e deve achar que é a última bolacha do pacote.

Burro.

De todos nós foi o único que falhou exercícios. É claro que fomos ajudados. Mas estávamos nos a esforçar.

Ele, ao contrário. Como não conseguia.

Abanava o cabelo.

Ria-se.

E gozava com o professor.

E começou a gozar com um dos refugiados.

Tivemos a aprender palavras com várias vogais para começarmos a perceber quando se usa um som curto e um longo.

A criatura sabotou completamente a aula.

O professor falou com ele. E ele ainda se ria mais.

 

É claro que dá vontade de rir.

Uma pessoa para ali a fazer...

...em voz alta e em público uns sons...parece que saídos de um estômago que acabou de levar com meio litro de uma bebida qualquer gaseificada, made in China..

E rimos. Todos. E o professor também se riu. Mas nenhum de nós se rio do colega do lado.

Rimos de nós próprios de uma forma normal.

 

Fizemos exercícios escritos. E a aula acabou.

E a barbie. Abanou o cabelo. Riu-se. Pavoneou-se mais uma vez. E diz em voz alta...

- Olha tu, que és gira, queres sair?

E eu olho para ele e digo.

- No. Sorry. I don't go out with stupid people...

Desapareceu que foi uma beleza. Pode ser que não volte....

 

E sim, eu sou bruta muitas vezes...

 

a minha primeira aula de norueguês...em emojis!

11.05.17, Joana Marques

Falo por mim. Já tinha saudades.

Se não leram o post da minha primeira aula de norueguês devem lê-lo com urgência. (Aqui)

Se leram, então estão aptos para acompanhar a história, maravilhosamente contada pelo João.

emoji (1).jpg

 

Se querem saber como correu a minha segunda aula de norueguês...têm de esperar só mais um bocadinho.

Mal de nada...

Menos de um danoninho....

 

lost in translation...

10.05.17, Joana Marques

Trabalho no departamento financeiro.

Os departamentos estão divididos e onde trabalho, somos 11 pessoas, a contar com a minha chefe e comigo.

São 6 homens e 5 mulheres. Todos casados, excepto o Hans e eu.

 

Chego à Noruega. A pensar que estou em casa...

E no primeiro dia de trabalho trato de falar com toda a gente.

Sorrir a toda a gente.

Contar piadas a toda a gente. E a rir-me. Que é algo que eu sei fazer bem...

 

No final do dia 1, o Hans convidou-me para sair.

Estranhei. Disse que não.

 

A minha vidinha continuou. A tentar adaptar-me.

Continuei a ser eu própria. A falar com as pessoas. A tentar quebrar o gelo na hora de almoço.

No dia 3, Hans oferece-me chocolates.

- Não vais abrir e experimentar?

Claro que não. Sou paleo, meu amigo. Lá como bombons...que não sejam feitos por mim...

 

No dia seguinte convidou-me para sair outra vez. Voltei a dizer que não.

Que seca.

Que chato.

Pensei. Será que este homem se anda a picar com a água da sanita??

 

Joana, sempre a dar o ar de sua graça no trabalho.

A falar. A falar muito. A dizer olá. E adeus. E coisas....

Hans oferece-me flores.

Não queria acreditar. Flores???

Estava enganada.

Este homem não se anda a picar com a água da sanita, este homem anda-se a picar com a água da ETAR de Alcântara....

 

Peguei no Hans e disse-lhe para parar. Não estava interessada.

- Por favor, não insistas. Não vai acontecer.

Fez um ar. Parece que lhe tinha dito: olha a Noruega ficou pobre e a partir de agora vais ter de te governar com 600€ por mês.

 

Um dia, estava eu no supermercado e vi o Hans.

Olha o Hans!

Voltei a ser eu própria.

- Olá! Está tudo bem. Digo alto e a gesticular.

Hans virou as costas.

- Não me viu. Pensei.

 

Não faço mais nada. Encurralo o Hans entre a arca dos congelados e o armário das garrafas.

- Olá, como estás?

-

O pobre Hans fez um ar confuso.

Que feitiozinho que este homem tem. Credo!

 

No dia seguinte, no trabalho, Hans aparece-me no gabinete. Oferece-me um bonequinho de peluche.

- Ó valha me Deus. Será que eu irritei assim tanto São Pedro que mereço???

Voltei a dizer ao Hans. Que não. Não valia a pena.

-

Outra vez um ar completamente incrédulo.

 

Daí a uns dias, contei a história a uma colombiana que trabalha aqui.

- Joana. Já viste como falas com as pessoas? A maneira como falas, olhas nos olhos e sorris estás a dar a indicação de que estás disponível. Aqui os homens avançam se as mulheres se mostrarem disponíveis. E mostrar disponível aqui é falar, sorrir ou olhar diretamente para a pessoa. A não ser que estejam bêbados. O Hans estava bêbado?

Bêbado? Não. Duvido que a ETAR de Alcântara proporcione aos seus clientes aguardente canalizada.

 

Percebi porque é que aqui só se fala o mínimo indispensável. E só de trabalho. Ninguém está interessado em ninguém.

A não ser eu que pelos vistos estou a pensar em arranjar um harém....

 

E a partir de agora não falo com ninguém.

Quando preciso de alguma coisa...recorro ao email.

Tudo por escrito.

T-U-D-O   P-O-R    E-S-C-R-I-T-O!

 

este ano não há Natal. E a culpa é minha....

09.05.17, Joana Marques

Cheguei de Barcelona no sábado à noite.

Uma mala cheia de comida.

Mangas, papaias, couves, agriões, rúcula, alface, tomates, pêssegos, ananás, peru, borrego, abacates, limões, laranjas, cocos, amêndoas, nozes, cajus. Sementes várias: de abóbora, chia, papoila.

Farinhas várias: polvilhos, mandioca, amêndoa.

E agora de improviso, acho que era só isto.

Chegou tudo intacto.

Arrumei tudo o que tinha a arrumar.

 

No domingo acordei cedo, mais cedo que o cão. Comecei a cozinhar.

Com o coco fiz leite e farinha.

Juntei o leite de coco à manga e fiz mousse de manga.

Juntei o polvilho, a farinha de coco e a farinha de amêndoa  e fiz um pão.

Sempre com atenção ao relógio.

Tinha almoço em casa da minha chefe.

Fiz uma salada, porque temi o pior. E levei duas garrafas de vinho português. Esporão.

 

Cheguei em cima da hora.

Tinha um vestido com uns sapatos espectaculares.

Logo que entrei tive de me descalçar e calçar uns xanatos mal amanhados.

Lá fiz o sacrificio.

A rezar a todos os santinhos para não apanhar um fungo manhoso.

Logo me veio à cabeça que estava frio e que nenhum fungo inteligente sobrevive. Xanatos, assim seja!

É uma tradição Norueguesa.

Sempre que se entra em casa. Anda-se de meias ou então temos de trocar por calçado de andar por casa.

 

Os 4 filhos já tinham posto a mesa. O marido estava ao fogão. E a minha chefe saiu-se com uma ideia parva.

- Está tão bonito o dia e se comessemos lá fora?

Estavam 10 graus. Não estava a chover e até estava sol. Só que estavam 10 graus e eu estava de vestido.

 

Mal diz isto.

Os putos agarram nos guardanapos, o mais novo; talheres, o ex mais novo, nos pratos e na toalha e passados uns dois minutos a mesa estava cá fora e eu também.

Apresentei a salada e disse que em Portugal não passamos sem ela. É uma tradição. Eles acreditaram...

O marido e a Anne trouxeram a comida.

De um lado puré de batata. Brilhante! De pacotinho, obviamente!

Do outro, carne. Achei que era porco. Na Noruega a carne mais barata é a carne de porco.

Servi-me de carne. 

Servi-me de puré...embora não tivesse intenção de o comer. Achei que parecia mal...

E fui salva pela minha salada: rúcula, agrião, tomate, alface, ananás. Fiquei contente porque todos quiseram experimentar a salada, incluindo os mais pequenos. E gostaram.

As garrafas de vinho foram abertas. Eu não bebo. Mas devia. Podia ser que deixasse de ter frio. Tanto frio, caneco...

 

Fui comendo.

E falando. Perguntaram-me montes de coisas sobre Portugal. E começaram a planear uma visita ao nosso país...

Entre uma ou outra pausa para comer ia tentando decifrar o que era a carne.

Não era porco, definitivamente.

Tinham feito um guisado. Provavelmente com tomate saído de um pacotinho...enfim! Não era dia para dramas....

Também não era peru, nem frango.

Parecia vaca. Tinha cor de vaca. Mas não sabia a vaca.

Até que perguntei.

-

- É rena.

- Rena?? Como a do Pai Natal??

-

 

Por isso, meu queridos amigos, vos digo.

Este ano não há Natal. Porque eu comi o Rudolfo.

E gostei....

a nossa escolha!

08.05.17, Joana Marques

"Nós pagamos aos médicos para que nos façam sentir melhor.

Quando na verdade deveríamos pagar aos agricultores,

para que nos mantenham saudáveis."

Robyn O'Brien

 

Esta frase chegou-me através do facebook. Quando a li pensei:

- Que grande verdade!

 

Procuramos os melhores médicos para nos tratarem.

Somos capazes de percorrer grandes distâncias para consultar o melhor especialista.

Gastamos fortunas porque na saúde não se poupa.

 

Porque não fazemos isso antes de ficarmos doentes?

É certo que existem doenças que nada têm a ver com o nosso estilo de vida. Poucas.

A maioria das nossas doenças começam quando escolhemos mal.

Quando escolhemos mal os alimentos.

Quando escolhemos mal não fazer exercício.

Quando temos preguiça e não cozinhamos. E por aí fora...

 

Existem médicos e médicos. Existem engenheiros e engenheiros. Existem gestores e gestores. E existem agricultores e agricultores.

Será que olhamos da mesma maneira para um bom médico e para um bom agricultor? Damos o mesmo valor?

Quem não dá, devia.

Porque é das mãos deles que sai parte da nossa saúde.

Em Portugal, existe e existirá, desde que se consuma...produtos de má qualidade.

Com inseticidas, herbicidas e pesticidas. Que contaminam solos e águas.

Em Portugal, vende-se fruta e produtos hortícolas do outro canto do mundo.

E assim será se continuarmos a consumi-los.

Cabe a cada um de nós ser mais consciente. Trocar o mau pelo bom. O longe pelo perto. A fruta que aparece todo o ano pela fruta da época.

 

Em Portugal também existem bons projetos!

E, mais uma vez está nas nossas mãos apoiá-los. E apoiar é comprar.

Não só por ser português. Mas porque é bom! Experimentem...é mesmo espetacular!

Um dos projetos que fiquei a conhecer há pouco tempo chama-se Batata Doce Biológica de Odemira.

 

A sua plantação é feita manualmente e em pequena escala.

É a terra que nos dá e por isso é preciso respeitá-la. Desta forma, a plantação é feita de forma biológica.

Para além disso e muito importante são respeitados o tempos de plantação e a colheita.

A plantação é feita em Abril/Maio e é colhida em Agosto/Setembro.

Como é armazenada à temperatura ambiente, só é comercializada até Abril.

Assim, se respeitam as características e propriedades do produto.

Aqui está um exemplo do que se anda a fazer bem em Portugal. Como estes haverá muitos.

Nós, consumidores temos sempre uma palavra a dizer.

Somos nós que escolhemos.

E se podemos escolher, vamos escolher o melhor.

 

 

Podem acompanhar a vida da nossa batata doce no facebook e instagram. Tem receitas!!

 

farinhas e sementes...

07.05.17, Joana Marques

Neste post tinha partilhado as etiquetas que usava para identificar as farinhas que tinha em casa.

Quando o fiz ainda comia glúten. E por isso as etiquetas estavam muito viradas para aquilo que eu consumia na altura.

Com o passar do tempo e com a decisão de deixar de comer glúten e posteriormente a minha passagem para a alimentação paleo, comecei a consumir muitos alimentos novos.

Farinhas novas.

Sementes novas.

E como eu sou nova nisto, algumas ainda confundo.

Chia e sementes de papoila. São tão parecidas.

Farinha de coco que compro feita (não a que eu faço) e polvilho doce.

Para não confundir as farinhas com farinhas e sementes com sementes fiz novas etiquetas.

Desta vez em modo Paleo.

 

1 (3) (1).JPG

Deixar as farinhas e sementes no pacotinho depois de aberto não é opção.

Sempre num frasco fechado!

E identificado!

É só imprimir, recortar.

Plastifiquei para durar mais.

Colei com fita cola de duas faces.

E decorei! Já sabem que eu vivo na pirosilândia...

Fiz as que precisava no momento.

Se acharem que falta alguma podem deixar nos comentários que eu atualizo!

 

Etiquetas Paleo!

de tudo um pouco. O desafio...

06.05.17, Joana Marques

Fui desafiada pela Simple Girl e pela Mariana para responder a algumas perguntas.

Desde já agradeço às duas. Gosto tanto destes desafios!

 

As regras são:

- Responder às 11 perguntas

- Indicar 11 blogs para responder à tag

- Colocar o selo da tag

- Colocar o link de quem te indicou 

detudo.jpeg

  •  Quais os teus estilos de música preferida?

Gosto de quase tudo.

Difere o tipo de música, conforme o que estou a fazer e onde estou.

Como tenho uma grande tendência para começar a cantarolar sempre que estou a ouvir uma música que gosto tento no trabalho, por exemplo, ouvir música clássica.

Quando corro, recorro sempre a músicas que conheço bem e ritmadas. As músicas dos anos 80 são perfeitas.

Na Noruega ouve-se sobretudo metal...no início estranhei, agora até já gosto. Não de tudo. De muita coisa.

Também gosto de ópera, fado. Gosto da Mafalda Veiga, Caetano Veloso e Marisa Monte.

 

  • Qual é a tua peça de roupa preferida neste momento?

Adoro calções.

É bem capaz de ser a minha peça de roupa preferida.

Lembra-me o verão, o bom tempo.

Os passeios na praia de manhã e à tardinha. Calções são tudo de bom!

 

  • Qual é o teu verniz mais divo?

Eu e as minhas mãos. Existe um conflito de interesses entre nós. As minhas mãos fazem tudo e por isso há uma tendência grande a que o verniz dure 5 minutos. Tenho cuidado, em ter umas mãos apresentáveis para ir trabalhar. Ás vezes sem verniz. Normalmente, tenho sempre verniz transparente. Depois vou variando. O que não pode faltar mesmo é acetona....para o tirar.

 

  • Calças ou saia. Porquê?

Saia.

Adoro saias e vestidos.

Basta um vestido para uma mulher ficar bem.

É claro que não passo sem jeans. Dão bem com tudo e tudo fica bem.

 

  • Cabelo liso ou encaracolado?

O meu cabelo é liso.

Se o secar com o secador depois de lavar o cabelo parece que saiu do cabeleireiro.

Se secar naturalmente aparecem umas ondas vindas não sei de onde mas que até gosto.

De uma maneira ou de outra o trabalho é zero e isso é que é importante.

 

  • Salto ou ténis?

Gosto de saltos.

Um dia serei chamada para trabalhar num circo tal é a minha aptidão para andar com sapatos de saltos altos.

Acabo por me sentir mais confortável em saltos do que com ténis. Deve ser do hábito.

Depois do trabalho tento lembrar-me. Trocar os saltos por rasos. A maioria das vezes esqueço-me tal é o conforto.

 

  • Brigadeiro ou gelado?

Gelado. Adoro!

 

  • Doce ou salgado?

Doce. Adoro o doce.

Em tudo. Principalmente na vida.

 

  • Como você define o seu estilo?

De forma resumida. Estão a ver uma árvore de Natal? Sou o oposto.

Simples. Quanto mais simples melhor.

 

  • És do tipo consumista ou só compra o básico? 

Depende do que estamos a falar. Em roupa, só o básico. Em sapatos, já não é bem assim. Mas tenho moderado.

Costumo dizer que o meu super herói é o supermercado. No que toca à alimentação sou consumista. Prefiro gastar mais dinheiro e comprar produtos biológicos. Ou comprar mais um tipo de sementes para experimentar. Ou uma fruta exótica que custa os olhos da cara.

 

  • Consideras-te vaidosa?

 

Não.

Para trabalhar cuido um pouco da imagem.

Ao fim de semana decido o que vou vestir nos cinco dias de trabalho.

Decidir de manhã é mais stressante. Assim é só vestir e seguir.

Quando não estou a trabalhar é o descalabro. A quantidade de t-shirts que eu visto e que só passadas horas vejo que têm manchas de tinta. É vergonhoso.

 

Seria nesta parte que eu deveria nomear 11 pessoas.

Fui acompanhando durante a semana e tenho ideia que as pessoas que eu sigo já responderam.

Por isso. Quem quiser responder ao desafio faça favor. Não custa nada!

 

 

 

em Barcelona...

05.05.17, Joana Marques

Cheguei ontem.

Muito cedo.

Tive reuniões o dia todo.

Já saí tarde.

Está provado que o tempo aqui não rende tanto. Em Oslo há tempo para tudo. Aqui nem por isso...

 

Reencontrei o meu bichinho Paleo. Romeu.

Só gosta de sementes boas. Até lhe roubei umas de girassol. Dá-me jeito para pôr a germinar...

romeu45.jpg

Passa-se alguma coisa com a minha casa.

O Vasco não quer ficar sozinho. Já tinha acontecido...e confirmei novamente...

Até eu já tenho medo de lá está. Mentira, não tenho...mas é estranho.

Tem de haver uma explicação qualquer....que ainda não encontrei.

 

Vou aproveitar o dia aqui, para cortar o cabelo.

Em Oslo possivelmente tenho de ficar a limpar o salão durante um mês.

Ou mais...

 

E vou comprar toda a comida que conseguir.

Até a minha mala rebentar.

Até o avião conseguir voar....

 

Há pessoas que fazem contrabando de tabaco, álcool...drogas...nop!

Eu vou entrar na Noruega com uma mala cheia de bens alimentares...

...

......indispensáveis e comprados a um preço normal...sem ser preciso deixar um rim como sinal...

 

a minha primeira aula de norueguês...

04.05.17, Joana Marques

Ontem foi a minha primeira aula de norueguês.

Estava ansiosa. Pela aula em si...até porque tinha um mau pressentimento.

 

Mas também, ansiosa para conhecer os meus colegas.

Seriam todos de outros países e isso agradava-me.

Até tinha uma esperança de dar de caras com algum português...

 

Ás 15h45 estava na escola. Porque aqui tudo começa a horas.

E se a aula está marcada para as 16h quer dizer que às 15h55 já temos de estar sentados.

Disseram-me para esperar à porta de uma sala.

A sala tinha porta com uns quadrados de vidro, olhei lá para dentro e estava a decorrer uma aula.

Miúdos de 10, 12 anos talvez. Estrangeiros e também locais. Uns loirinhos e cor de lixívia. Outros morenaços e cor de saúde!

Entretanto juntaram-se a mim mais uns miúdos. Um pouco mais velhos do que os que estavam dentro da sala.

A porta abriu-se.

Os loirinhos e cor de lixívia saíram. Sorridentes e aos pulinhos.

Os morenaços e cor de saúde ficaram.

Apareceu uma funcionária que nos encaminhou para dentro da sala.

 

Sentámos-nos.

Ali estava eu Joana, 36 anos, rodeada de putos.

 

Entrou a professora. Fez a chamada. Disse o nosso nome e a nossa nacionalidade.

Estava numa turma de 15 alunos.

2 gregos. (são irmãos)

2 paquistaneses. (também são irmãos)

Uma portuguesa, eu...

10 nepaleses.

Não sabia se havia de rir ou de chorar. Em caso de dúvida ....é melhor rir!

 

Recebemos um dossier com o plano de estudos.

Dentro do dossier, um calendário onde estavam assinaladas as aulas que vamos ter.

Os conteúdos a trabalhar em cada aula. Os exercícios a fazer. 

Deram-nos todo o material que precisamos. Incluindo folhas de linhas.

Também nos ofereceram um estojo completo.

 

Fomos apresentados às vogais norueguesas. 8 vogais.

E ensinou-nos a ler cada uma delas.

Tivemos de repetir.

Foi horrível...

 

Depois fomos apresentados ao alfabeto todo.

Cada um de nós teve de ler o alfabeto com pronúncia norueguesa.

 

Hilariante! E  humilhante ao mesmo tempo.

Tanta boquinha.

Tanto trejeito.

Tanto som parvo....

Dois nepaleses choraram....e um grego também.

 

Estava eu concentradíssima a debitar o alfabeto.

Com uma pronúncia irrepreensível...como é óbvio!

Um nepalês, com uns 10 anos, chamado Sugavara, ou qualquer coisa do género...

.....interrompeu-me e corrigiu-me...

 

Atirei-lhe um olhar...

....de agradecimento....o puto tinha razão...

...foi repreendido pela professora...e encolheu-se todo.

 

De repente ouço chorar...

...achei que tinha escangalhado o nepalês...mas não!

Era o irmão, chamado Sugalee ou qualquer coisa similar....que tinha começado a chorar também...

 

 

Mais uma vez, não sabia se havia de rir ou de chorar.

Podia-me juntar ao grupo dos chorosos, esperei pelos paquistaneses...mas são rijos.

Nem uma lágrima.

Aguentei, o choro. E principalmente o riso....um sacrifício grande da minha parte!

Devia ser valorizado na nota final...

 

Não sei como é que a professora não se desmanchou a rir, devem ser muitos anos daquilo e já não deve achar piada..

 

 

Quando saímos fui à secretaria.

Perguntar:

-Tem a certeza que estou na turma certa??

A senhora olhou para mim com um ar de:

- Não estou a perceber...

- Estou numa turma só de putos....É normal????

- Em que sala está?

- B12?

-Que idade tem?

- 36!

- Tem a certeza? É uma turma sub16..

Achei que estava a gozar comigo....sim, claro!

Tenho 16 anos....e o meu creme anti-rugas está a fazer um efeito belíssimo......

Saquei do meu cartão de identificação norueguês e mostrei-lhe a minha data de nascimento...

 

Afinal, tinha havido um engano.

Quem preencheu o meu formulário enganou-se e em vez de escrever 36, escreveu 16.

O mais parvo é que a professora não me disse nada.

Deve ter percebido e deixou-me ali rodeada de putos. A sofrer....

 

Para a semana há mais.

Na turma certa!

Sala B23.

Já que é para ser humilhada...que seja com gente do meu tamanho!

 

yoga? Não! AeroYoga...

03.05.17, Joana Marques

Nasci hiperativa. E continuei vida fora hiperativa.

Durmo pouco.

5 horas bastam  para acordar com uma energia difícil de gastar ao longo do dia.

A acordar às 5h da manhã, sou menina para ao fim do dia ainda estar fresca e fofa.

Agora que sou Paleo, nem queiram saber! Sou um poço de energia insuportável...

Qualquer pessoa que conviva comigo acaba por ficar à beira de um esgotamento nervoso.

 

Ainda ontem, consegui ao mesmo tempo:

- estar a teclar no messenger com o meu irmão.

- ralhar feita doida com o Vasco que tinha a boca cheia de ramos de árvore.

- estar a conversar com uma colega espanhola, em espanhol.

- e...em inglês com uma colega norueguesa.

 

Tudo ao mesmo tempo.

E bem sucedida em todas as tarefas. 

Exceto no Vasco que não me liga nenhuma.

 

Há muitos anos atrás um colega meu. Vítima de Joana Marques disse-me em tom de brincadeira...e ao mesmo tempo em desespero:

- Acalma lá. Já pensaste em praticar yoga??

 

Não, por acaso nunca tinha pensado.

Inscrevi-me com uma amiga.

Aceitou ir comigo, porque é mesmo minha amiga. Eu bem via o medo no olhar.

A verdade é que correu bem. Comecei a praticar duas vezes por semana.

Fez a diferença na minha vida.

Não me parou, nada disso.

Mas fez de mim uma pessoa ligeiramente.....mal de nada...mais calma.

Quase não se nota...aliás...acho que só eu é que notei.

 

Continuei a praticar quando fui para Barcelona. Em casa.

Ainda tentei praticar na Grécia, durante o mês de Março. Não deu. Demasiado avassalador para eu me concentrar.

 

Um dia a caminhar aqui por Oslo descobri outra modalidade. AeroYoga.

Decidi experimentar.

 

E o que é o aeroYoga?

Na verdade é uma modalidade inventada pelo demónio. Ele próprio em pessoa.

E não sei se têm conhecimento mas o demónio teve uma filha, a diaba.

Da relação incestuosa entre o demónio e a própria filha, diaba, nasceu wlada a minha professora de aeroYoga.

Wlada é ucraniana e está sempre armada com uma vara.

Faz uma chinfrineira cada vez que um de nós está numa posição incorreta.

Nunca me sinto confortável.

Tenho sempre, pelo menos, meio olho aberto não vá Wlada dar-me com o seu cajado no lombo.

Um stress! A antítese do yoga.

 

As vantagens do aeroYoga:

- tonifica e modela o corpo.

- elimina dores

- nutre a pele.

- combate a celulite. E a flacidez.

- ativa a circulação.

- regenera as articulações e evita a descalcificação óssea.

 

Desvantagens: no dia seguinte, o Vasco tem de ser muito convincente para eu sair da cama. TUDO DÓI! TUDO!

 

Para verem como é, podem espreitar este vídeo. Pode ser que se animem!!

É isto que se faz nas aulas.

Fácil....