Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quiosque da Joana

Quiosque da Joana

4 anos de Vasco! Terceira história...

27.04.18, Joana Marques

Já tinha feito um ano. Parece-me.

E tinha um apetite voraz...

Cheguei a casa pelas 17. Tinha saído pelas 6 horas da manhã.

Andava com muito trabalho. E tinha tido reuniões o dia todo. Nem tinha tido tempo para almoçar.

Estava esfomeada.

 

Mal cheguei a casa. Tentei leva-lo à rua.

Para despachar o cão. E poder vestir uma roupa mais confortável.

Não quis.

Mantive a roupa  de trabalho. Um vestido de linho. Claro.

 

Vesti um avental. E comecei a preparar o jantar. Frango guisado com ervilhas.

Já tinha o frango cortado em bocadinhos pequeninos.

Foi só juntar o tomate, azeite, enfim...tudo o que faz um guisado.

Por fim. Quando já tinha tudo dentro da panela. Tapei-a.

E fui fazer outra coisa qualquer.

O Vasco andava a rondar.

Como sempre.

Nem liguei.

Estava no terraço. Ouvi um estrondo. Seguido de um guincho.

Não queria acreditar.

O Vasco.

Tinha assaltado a panela do guisado.

E tinha-se atirado ao fogão. Ligado.

A panela desequilibrou-se e caiu para cima dele.

A panela.

As ervilhas.

O frango.

Tudo!

 

Entrei em pânico.

Peguei no cão.

Na minha mala e desci feita louca as escadas do prédio.

O cão gania.

Coloquei-o dentro do carro.

E só parei no veterinário.

O cão ia num sofrimento. Não sabia se seria pela queimadura. Se por ter percebido que ia para o veterinário.

 

Entrei no veterinário.

Com um cão ao colo.

Cheio de ervilhas e frango.

Com um vestido cheio de nhanha guisada.

Modo: "caí no caldeirão da carochinha e não sou o João Ratão"

 

O veterinário do Vasco. Que conhece todas as manhas dele estava a operar um outro bicho indefeso.

Fomos socorridos por uma veterinária. Muito querida. Chamada Rita. Mas que desconhecia que o cão é hipocondríaco.

A Rita tocava no nariz. O cão gania.

A Rita tocava na pata traseira. O cão gania.

E fazia xixi.

A Rita tocava na barriga. O cão gania.

A Rita tocava no armário dos medicamentos. O cão gania.

A Rita falava ao telefone. O cão gania.

 

Depois de ter escrutinado, o cão, centímetro a centímetro. Veio o diagnóstico da Rita.

- Tem uma queimadura ligeira no nariz. Nada de mais. Deve ter ficado assustado....também.

Deu-me uma pomadinha para ir pondo no nariz.

- Se te esqueceres de pôr não tem importância, a queimadura é tão ligeira que daqui a dois dias já nem se nota.

E deu-me uns comprimidos.

- Hoje à noite dá-lhe um. Para o acalmar. Como vai ficar sozinho. Ainda se passa.

 

Voltei para casa.

Ainda em modo. Mogli, o menino da selva.

A deixar ervilhas por onde passava.

 

À noite. Dei-lhe o comprimido.

Coloquei a caixa e a pomada em cima de uma prateleira na cozinha.

Fui-me deitar.

 

No outro dia de manhã. Estranhei.

O meu despertador. Não me acordou.

Levantei-me.

O cão. Estava. Estendido na cozinha.

Quase morri.

Olhei para a prateleira. A caixa de comprimidos tinha desaparecido.

Desaparecido mesmo. Ele comeu os comprimidos. A caixa. E a bula. Tudo..

Limpinho. Limpinho.

Peguei no cão.

Veterinário.

Perdi 10 anos de vida. Com a preocupação. Mas chegámos a tempo.

Este Vasco. É um cão.

Com 7 vidas como os gatos...

 

 

 

4 anos de Vasco. Segunda história...

27.04.18, Joana Marques

O Vasco ainda não tinha dois anos.

 

Uma amiga minha tem uma casa no Funchal e aproveitei para lá ir passar uns dias.

Uns dias antes encontrei-me com ela em Lisboa. Entregou-me a chave.

E eu preparei-me para uns dias de descanso absoluto.

O Vasco foi comigo. Grande erro.

 

Aproveitei para caminhar.

Subi ruas. Desci ruas.

Às vezes com o Vasco.

Outras vezes sozinha.

 

Um certo domingo.

Num dos passeios. Passei à porta de uma igreja.

Estava a decorrer a missa.

Estava tão cheia a igreja que muita gente estava à porta porque não tinha conseguido entrar.

Passei com o Vasco.

As ruas estavam engalanadas. Havia festa.

E uns escuteiros tinham uma banca. Para quando a missa terminasse vender qualquer coisa. Bolos, provavelmente. E, mais tarde, percebi que também estavam a vender calendários.

 

No regresso.

A missa já tinha terminado.

Estava uma imensidão de gente

O Vasco ia pela trela. Mas ao passar pelas pessoas. Sem querer. A trela foi-se.

Não fiquei muito preocupada. Porque o cão consegue encontrar-me até na lua.

Olhei para ver se o via. E decidi subir a um murinho para ver melhor..

Quando estava para subir o muro ouço alguém dizer:

- Ah! Ah! Estás a ver ali aquele cão a assaltar os escuteiros??

 

Toda a minha vida passou diante dos meus olhos.

Podia ter fugido.

Para o continente.

E deixa-lo lá. Na ilha.

Alberto João Jardim que tomasse conta da ocorrência.

Que resolvesse o pepino....

 

Mas não....

....fui ter com os escuteiros. Paguei quase 50€ de bolos.

E comprei calendários. Para compensar de alguma forma as pobres almas, assaltadas.

Naquele ano. Todos. Da família Marques receberam um calendário, no Natal.

Cortesia de Vasco Marques.

 

 

4 anos de Vasco. Primeira história...

27.04.18, Joana Marques

O melhor de ter um cão.

Pensava eu.

Nunca mais ia correr sozinha. E podia explorar sítios diferentes.

Como a Serra de Sintra, por exemplo.

Normalmente ia correr ou fazer caminhadas com o meu irmão e os amigos.

Mas um dia decidi ir com o Vasco.

 

Devia ter pouco mais de um ano.

Saímos por volta das 11h da manhã. Porque tive muita dificuldade em convence-lo a sair de casa.

Casa. Cama. Comida. Boa vida. O que mais pode um cão querer.

Alternativa.

Vento. Frio da Serra. Subir. Descer. Cansaço. E a dona maluca.

Parece-me fácil e óbvia a escolha.

 

Em casa tinha preparado a caminhada.

Conhecia bastante bem o percurso.

Já tinha feito um idêntico com o meu irmão.

O Vasco ia sem trela.

Afastava-se. Voltava.

Deixei-o ir à vontade.

Batizava com xixi. Esta árvore. Porque sim.

E a seguinte. Também.

Esta não. Mas a outra à frente, sim!

E lá íamos nós na nossa vida.

Nem vivalma. Nada. Ninguém.

Afastou-se.

Eu continuei.

Nunca foi um cão de fugir. Gostava de explorar os locais mas voltava sempre.

Demorou-se mais do que a conta.

Comecei a olhar em volta.

Assobiei.

Nada.

Chamei-o. Respondeu-me.

- Ó chata. Já vou.....

Continuei. Como obtive resposta. Não me preocupei.

De repente ouvi gente. Uma confusão. Pessoas a falar alto.

 

Passa por mim o Vasco a correr....

.......com uma espetada na boca...

Eu corri atrás dele. Antes que alguém me quisesse bater...

 

 

4 anos de Vasco!

27.04.18, Joana Marques

vasco1234.jpg

O Vasco faz hoje anos. 4 anos.

Não vou voltar a contar a história de vida dele, porque já o fiz, o ano passado.

 

Este ano vai ser diferente.

Para comemorar este dia especial.

Ao longo do dia serão publicadas histórias sobre o Vasco. Nunca antes contadas...

Até lá. Podem olhar para foto. Vá-la....

Façam o favor de se derreterem....

 

Eu não posso!

 Posso...

....mas não devo.

 

Tanta fofura.

Provoca em mim.

Um enfraquecimento.

Perigoso.

Muito perigoso.

 

Não posso olhar. Não posso olhar. Não posso olhar. Não posso olhar.

Ou, vou acabar com o frigorífico vazio....