Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quiosque da Joana

Quiosque da Joana

Joana e Companhia

25.11.19, Joana Marques
Em 1981 nasceu a Joana. Em 2014 juntou-se o Vasco.

No final de 2017 chegou a Alice!

Em Março de 2018, o Pedro! Em Novembro de 2018 juntou-se a nós a Gabi!

E...

...em Março, a Mariana. Liliana, a gata...em Outubro.

Ah! E a Luísa!?

A Luísa deve chegar lá para Fevereiro..

 

Já fui um Quiosque mas arranjei companhia!

 

 

Este é o mote para o meu novo blog.

 


 

 

 

Este é o melhor bairro do mundo.

A sério! É mesmo...

...mas nem sempre nos é possível ficar.

Já não sei bem quando instalei o Statcounter (um contador de visitantes) e o Sapo deixou de permitir a sua utilização.

E este contador de visitas é assim tão importante?

É. Neste momento é. E enquanto for não voltarei ao Sapo. Com grande tristeza minha.

Ou melhor, voltarei sempre ao Sapo para ler os blogs que gosto.

O novo blog está um bocado confuso mas com o tempo espero que tudo estabilize....

 

Joana e companhia porque estou mais acompanhada do que nunca.

Joana e companhia porque vos espero lá. Para me acompanharem nesta nova jornada....

 

 

 

Vamos lá puxar pela memória....

21.11.19, Joana Marques

Vamos lá puxar pela memória, sim?

Escrevi eu no dia 1 de Novembro, neste espaço moribundo, uma parte de uma história.

Ainda se lembram??

Provavelmente não. E com razão...

..passaram 20 dias! VINTE!! E, finalmente ....fumo branco!

 

É domingo. É domingo. Pelas 8h!

Sim, sim. Levantar cedo e cedo erguer dá saúde e faz crescer.

No blog "Sapos do Ano"

 

E agora tenho de ir.

Alice esperneia porque quer dormir com a camisola cor de rosa que tem uma bailarina.

A Mariana rebola sala fora, porque não sabe gatinhar muito menos andar mas acha que é giro este tipo de movimentos.

O Vasco só quer descansar e não está a conseguir.

A Gabi espera pelo seu amado e adorado dono. Ao mesmo tempo que espreita a janela e ladra.

O Vasco quer mesmo, mesmo descansar e está a um milímetro de lhe saltar a tampa.

A gata. Sim! Temos uma gata. Chama-se Liliana e é bastante snob e foi deitar-se muito perto da comida do Vasco.

O Vasco conta até 10.

E eu! Ai senhores. Ai senhores. 27 semanas de Luísa.

Uma barriga do tamanho da Austrália.

Uma vontade de comer romãs nunca vista. E dióspiros. 

Dióspiros. Eu odeio dióspiros mas adoro dióspiros. Não liguem...mulheres!

Mentira...Joanas!

Ah! E temos um caracol chamado Artur que a Alice apanhou no jardim.

E é tudo. De momento...

O Vasco não aguentou....e abandonou este maravilhoso grupo.

Foi dormir para o sótão. 

 

 

continua.....

...no blog Sapos do Ano

01.11.19, Joana Marques

Estava eu convencida da vida que só voltava cá dia 30 de Novembro. 

Mas não! 

Fui ultrapassada pelos acontecimentos.

Não é que este pequeno Quiosque está nomeado para o Sapos do Ano, na categoria família.

O David e a Magda pediram-me para escrever um texto para publicar lá e eu só porque sim vou publicar uma parte. O resto têm de ler lá...

...um dia destes.

 

 

Caramelos!

Daqueles de nata, cremosos. BONS!

 

Lisboa.

Campo de Ourique.

Anos 80. Século passado.

 

Vivíamos num segundo andar. Numa das ruas principais do bairro.

Dois prédios abaixo do nosso prédio estava a mercearia do Senhor Zé.

Zé Maria. Vendia tudo e mais alguma coisa. Incluindo rebuçados de fruta.

 E caramelos.

Daqueles de nata, cremosos.

BONS!

Que ficavam presos no último dente da boca, aquele mesmo lá ao fundo onde a língua não chega.

 

A minha mãe fazia lá as compras e quando eu ia com ela o Senhor Zé Maria abria um frasco grande de vidro, tirava a tampa e dava-me rebuçados.

 Eu.

Escrutinava cada um deles.

A minha mãe olhava para mim com olhos furiosos. Sabia o que ia sair dali. E tinha medo do que ia sair dali.

Depois de examinar cada um dos rebuçados. Abria a boca.

A minha mãe ameaçava espancar-me com o olhar mas eu não queria saber.

- Ó Senhor Zé Maria podia trocar este rebuçado de laranja por um de limão e este de pêssego por um de cereja ou de morango? Pode também acrescentar um caramelo??

Confirmavam-se os piores receios da minha mãe.

Já me tinha avisado. Falado. Conversado. Ameaçado.

- Quando nos dão alguma coisa, MESMO que não gostemos, aceitamos e dizemos obrigada!

Eu até percebia esta parte. Mas não ia ficar com os rebuçados de laranja que eram demasiado enjoativos e os de pêssego? Nem pensar. Não tinha feito mal a ninguém…

                                                                                                              .....continua no blog Sapos do Ano!

 

 

Ah! Eu não sei quando vai ser publicada.

Só o David e a Magda podem responder...