Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quiosque da Joana

Quiosque da Joana

das histórias que o meu pai contava...

23.08.17, Joana Marques

Quando era pequena, como muitos miúdos ao longo dos tempos, só adormecia se me contassem uma história.

Nem sempre era eficaz. Nem sempre resultava.

O bicho era meio selvagem. E dormir sempre foi pouco importante para mim.

Ao contrário dos miúdos e miúdas que cresceram a ouvir contar as histórias da carochinha, Cinderela e gato das botas.

As histórias em minha casa eram outras.

 

3 filhos.

A minha irmã mais velha já não precisava.

O meu irmão exigia a presença da minha mãe.

E a mim sobrava-me o meu pai.

E o meu pai era o Sporting. E por isso as histórias eram sobre o Sporting.

 

João Jurado. Nasceu em 1906. Na Amora.

Gostava de jogar futebol. E jogou em vários clubes.

Um dia apaixonou-se perdidamente. Por um clube. O Sporting.

Para sua grande infelicidade teve de deixar o futebol.

Precisava viver. O futebol não dava dinheiro. E ocupava muito tempo.

O patrão fez-lhe um ultimato!

- Ó Jurado! Escolhe! Ou o futebol ou o trabalho.

Parou durante dois anos. E durante estes dois anos poupou cada centavo. Cada tostão.

Comprou um táxi. E começou a trabalhar por conta própria. A fazer ele os seus horários de trabalho.

Para poder jogar no Sporting.

jurado.jpg

Dizem que o amor à camisola é coisa que está em desuso.

Ainda acredito. Que não. Pelo menos, alguns jogadores.

Sou uma ingénua. Ou então gosto demasiado do Sporting. E custa-me a crer que não sintam o mesmo.

Hoje. Lutem.

E honrem a camisola.

O símbolo que estão a representar tem muita história. De empenho, de sacrifício e de amor.

Muitos passaram por lá. E deixaram a sua marca. Deixem a vossa também. 

19 comentários

Comentar post