Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quiosque da Joana

Quiosque da Joana

hoje vou ao Jamor...

20.05.18, Joana Marques

Desde que sou gente, acompanho o Sporting.

Comecei por ir acompanhada pelo meu pai. Mais tarde pelo meu irmão.

Cresci em Alvalade.

 

Quando me tornei gente.

Não precisava de ninguém.

Fui muitas vezes sozinha ver o Sporting.

Sobretudo fora do país.

Uma grande parte da minha vida foi condicionada pelo Sporting.

E pela minha presença em jogos.

Não só de futebol. De tudo e mais alguma coisa. O Sporting é o clube mais eclético do país.

 

Quando fui viver para Barcelona. No final de 2016. Este ciclo quebrou-se.

Estava sozinha em Barcelona. Ou melhor. Não estava sozinha. Estava com o cão.

Não podia ir aqui e ali ver jogos e deixar o cão sozinho em Barcelona.

Segui para a Grécia. Noruega. Inglaterra. Amesterdão.

Voltei a Portugal no final de 2017. Com uma perna partida.

Passados uns dias, varicela.

Estavam reunidas todas as condições para não voltar a Alvalade. Nem a lado nenhum.

Gostava de ir, claro! Mas achava que estava tudo bem. E que a minha presença era só mais uma. No meu lugar iria outra pessoa que faria a festa como só os sportinguistas sabem fazer.

No final de Dezembro. A Alice apareceu na minha vida.

E tornou-se a minha prioridade.

Em Alvalade as coisas estavam a correr mais ou menos bem. Deixei-me estar.

 

Até que. Num jogo de nervos. Muitos nervos. O Sporting eliminou o Porto da taça de Portugal.

Finalistas.

Toda a gente queria bilhetes.

O meu pai perguntou-me se contava comigo.

- Não. Já deve estar bom tempo nessa altura, vou aproveitar o dia para estar com a Alice.

O meu pai comprou 6 bilhetes. Para ele e para a minha mãe. Para a minha irmã, cunhado e para os meus dois sobrinhos.

A festa do futebol. Chama famílias inteiras ao estádio.

Com estes últimos acontecimentos. A minha mãe começou a dizer que era melhor ficarem por casa.

E eu comecei a ter vontade de ir.

É agora que precisam de mim.

A minha mãe deu-me o bilhete.

 

Se perdermos. Sobreviverei. Triste...mas sobreviverei. Como tantas vezes o fiz.

Voltarei para Cascais.

Com o cachecol preso no vidro do carro.

A mostrar ao mundo.

O orgulho que tenho em ser do Sporting.

 

Se ganhar.

- Querida buzina. Prepara-te. Vou-te usar. Até dares o último suspiro.

 

Viva o Sporting!

 

4 comentários

Comentar post