Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quiosque da Joana

05.07.18

ó euromilhões faz de mim uma mulher rica!

Joana Marques

No ano passado mais ou menos por esta altura.

Andava eu a vaguear pela dieta Paleo.

Li tudo o que havia para ler. Paleo ou não.

Pertenci a um grupo no facebook. "Paleo Descomplicado". Aprendi muito com eles. 

Um dos livros que li, não tinha propriamente a ver com a dieta Paleo, falava sobretudo da alimentação sem glúten.

Escrevi sobre ele neste post. É o primeiro.

Gostei muito de ler o livro.

É simples de ler. 

É simples de perceber.

Fala-nos um bocadinho do trigo e do milho.

O que diz é que o trigo e o milho não nos faziam mal nenhum nos primórdios destas culturas, mas ao longo do tempo têm sido modificados.

Para sobreviver às pragas.

Para se produzir em grande escala.

E este trigo. E este milho. É que fazem mal.

O trigo não faz parte da dieta Paleo porque tem glúten. O milho penso que também não. 

Alguns alimentos fazem parte da chamada zona cinzenta, não sei se o milho estará nesta zona cinzenta ou se está mesmo proibido.

Eu que fazia o melhor bacalhau com broa do mundo. Nunca mais fiz.

Eliminei o milho da minha vida.

 

Até que...

...a 15 de Março conheci o Pedro.

E passados uns dias, no nosso almoço na praia, rodeados de comida saudável por todos os lados, perguntei-lhe:

- Qual é a tua comida preferida?

- Gosto muito de pipocas...

 

Pipocas! Minha gente! Pipocas!

Tanta comida por esse planeta fora. E o homem respondeu pipocas.

- Pipocas? Tens a certeza?

- Não sou muito esquisito com a comida. Adoro chegar a casa depois de um turno, pôr um saquinho de milho no micro-ondas e sentar-me no sofá a comer calmamente as pipocas.

- Hein?

- Já tenho chegado de madrugada, depois de trabalhar 24 horas e antes de ir dormir é o que faço.

 

Confirmei. Palavra por palavra. No dia em que estive em casa do Pedro a ajuda-lo com as mudanças.

A despensa do Pedro era o paraíso da pipoca perdida.

A despensa do Pedro tinha mais caixas de pipocas de micro-ondas do que os supermercados TODOS da zona de Lisboa. Pronto! De Portugal Continental....que se lixe acrescentem também Açores e Madeira.....

Nunca se sabe quando é que as fábricas das pipocas abrem falência, TODAS ao mesmo tempo.

E um homem prevenido vale por dois. Ou três. 

 

No dia em que me deparei com a pipocagem nas prateleiras da despensa, o Pedro já me tinha pedido em casamento, pelo que tive cuidado em abordar o assunto.

MENTIRA! Claro que não...

- Posso deitar isto tudo fora??

- NÃO!

 

Depois lá conversámos um bocado sobre o assunto.

Lá argumentei que o milho andava modificado e pouco saudável e que considerava as pipocas de micro-ondas ainda pior porque têm um composto qualquer chamado diacetil que é muito perigoso para a saúde.

O homem também argumentou, o milho tem antioxidantes importantes para a saúde, ajuda a saciar,  dá-nos energia, protege o nosso sistema imunitário, ajuda a controlar o açúcar no sangue e contém fibra. E rematou com, podemos comer tudo desde que seja com moderação.

 

- Pelo aspeto da tua despensa, parece-me que moderação não é a palavra certa.

O homem riu-se.

 

Chegámos a um acordo. 

Eu ia procurar o milho perfeito. Biológico. Embora sem qualquer garantia de ser modificado ou não.

E ia conseguir fazer as pipocas perfeitas.

O homem ia moderar o consumo de pipocas.

Assim foi.

 

Cheguei a esta receita!

80/85 g de milho.

Parece pouco mas acreditem....dá pipocas que nunca mais acabam (a não ser que convidem o Pedro aí para casa....)

Duas colheres de óleo de coco.

Colocar o milho e o óleo de coco, dentro de um recipiente, com tampa, que possa ir ao lume.

Passados uns minutos o milho começa a explodir. Parece a passagem do ano.

Temos de ir virando o milho sem tirar a tampa.

Não quero ver nenhum quiosquiano com uma pipoca incrustada no nariz ou nos olhos.

Quando nada mais explodir. Tirar do lume. E espalhar as pipocas num tabuleiro. Convém cobrir o tabuleiro com papel vegetal para que o caramelo não suje muito o tabuleiro.

Num recipiente que possa ir ao lume colocar 3 colheres de sopa de geleia de coco e uma colher de óleo de coco.

Ir mexendo. Deixar ferver um a dois minutos. Não mais do que isso.

E colocar este preparado por cima das pipocas.

Para nós aqui em casa chega. Se acharem que precisam de mais é só duplicar a receita do caramelo.

Não experimentei com outro tipo de adoçante mas tenho ideia que com mel, geleia de arroz, agave, etc, também deve dar.

Deixar secar o caramelo. Uns minutos apenas.

E já está. É comer.

 

Aqui em casa estamos fãs.

Sabem aquelas tardes? De folga. De férias. Ou de licença de casamento.

A ver um filme ou uma série. No sofá.

E a comer pipocas.

Ó vida boa!

Ó euromilhões faz de mim uma mulher rica!

1p (16).JPG

Comemos sempre as pipocas com frutos vermelhos.

 

Um minuto de silêncio pelas pipocas de micro-ondas.

Paz à sua alma!

10 comentários

Comentar post

Joana Marques

foto do autor

Sigam-me

contador de acesso grátis

Links

Grupo no Facebook de Partilha handmade! 💝

As histórias do cão! 🐶

Tricot 🌺

Crochet 🌻

Receitas 🍳🥦🥧

Planear ⌚📅 📊

Comentários recentes

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D