Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quiosque da Joana

Quiosque da Joana

por uma vida simples!

15.07.18, Joana Marques

Quando saí de casa dos meus pais, aos 17, fui morar para uma casa alugada minúscula.

A casa tinha algumas coisas e comprei muito pouco para a compor porque era tão pequena que corria o risco de não conseguir circular dentro dela.

Mais tarde mudei-me para Algés.

Também para uma casa alugada. Perto da Zínia. Quem conhece a Zínia? 

A casa era um pouco maior mas também não era nada de especial.

Tinha uma varanda tão pequena, tão pequena que metia dó.

A sala era na entrada da casa. Tamanho XS.

O quarto era XS. E a cozinha? Também XS.

A vantagem de ter uma casa pequena é que dá pouco trabalho. Se não estiver atravancada de coisas!

Aprendi durante esses tempos a não ter a casa demasiado cheia.

 

Quando me mudei para Carcavelos.

Aproveitei as coisas que tinha das casas anteriores e que tinham sido compradas por mim, claro!

Escolhi a casa por várias razões. 

A primeira delas, o preço! 

A segunda, nem sei bem. Gostei do terraço. O facto de ser uma casa remodelada e gostar da forma como estava. 

O chão ser todo em mosaico e apenas os quartos serem de madeira. Um chão em mosaico é muito mais fácil de manter...

 

Aos poucos fui compondo a casa.

A minha irmã é designer de interiores e ajudou-me em algumas coisas. Deu-me conselhos. Bons conselhos.

A casa sempre teve um aspeto minimalista.

É mais fácil aspirar. É mais fácil limpar o pó. É mais fácil passar um pano no chão e ficar bom.

Com uma casa pouco cheia posso usar este aspirador. Neste momento não estou a usar um igual mas um familiar próximo.

 

Com o passar do tempo fui recebendo objetos e comprando outros. E a casa teve tendência a deixar de ser o que era.

O aspeto minimalista podia desaparecer. Se nada fosse feito...

Pelo menos aconteceu comigo.

Por exemplo: gosto de ter aos pés da cama uma manta e no sofá da sala outra.

E de repente no Natal recebi de presente 35 mantas. Se eu não fizer nada ficam aqui por casa a arrastarem-se.

Outro exemplo:

Molduras. Gosto de ter fotografias em casa. De repente, o universo uniu-se, e fiz anos. E recebi 453 molduras.

O que faço nestes casos é colocar o que considero excesso dentro de uma caixa e passados 6 meses dar.

Alguns objetos guardo e quando faço as limpezas gerais, normalmente na primavera, troco e coloco as que estavam a uso, em repouso.

Desta forma, sempre vou renovando a casa.

 

Desde miúda que sou forreta. 

Sou conhecida por isso na minha família. Nunca vi os meus pais desperdiçarem nada mas eu sou 100 vezes pior....

Aproveito tudo.

Parece um contra-senso. A minha casa tem poucas coisas mas eu aproveito tudo.

Tudo o que aproveito não está em casa. Dentro de casa estão apenas as coisas que me fazem falta e que uso.

Guardo na arrecadação de forma organizada. Sei sempre o que tenho e onde está.

Se for para estar tudo ao molho e fé em Deus é melhor deitar fora...ou dar.

 

O ser forreta ajudou-me a não entrar em loucuras.

Mas não totalmente....

....quando tinha 17, 20, 25 comprava objetos que achava bonitos. Não me faziam falta nenhuma mas por uma razão ou por outra vieram parar a minha casa...

Com o tempo aprendi a dizer não a este tipo de coisas.

Ás vezes é preciso ver com os próprios olhos. E eu vi.

Não me recordo o ano, 2000 e qualquer coisa. 2005 talvez....

Uma das resoluções, de ano novo, foi fazer uma lista com tudo o que eu comprava...

Passados os primeiros meses, ao olhar para essa lista percebi que se deixasse para trás o acessório, no fim do ano podia fazer uma viagem.

E viajar nunca é acessório.

Viver assim, não é viver sem nada. É viver com o número certo. 

 

Com o passar do tempo percebi que as pessoas como eu tinham um nome.

Chamam-nos minimalistas.

Os meus amigos chamam-me maluca...mas isso é problema deles. Chamam-me outras coisas também...os desgraçados..

 

Ao longo do tempo aprendi. Por minha conta e risco.

Que uma vida boa. É uma vida leve. Simples. Sem atrelados e bagagens...

....embora a publicidade nos diga o contrário...a toda a hora e a todo o momento.

 

Há um ano no Quiosque!

Estava na Noruega e fiz isto!!

 

Instagram

Facebook

handmade life

Bloglovin

13 comentários

Comentar post