Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Quiosque da Joana

Quiosque da Joana

só se estraga uma casa...

Vasco

29.09.19, Joana Marques

Domingo. De manhã.

7h00.

Acordou fresquinha que nem uma alface. A Mariana.

Risonha. Esfomeada. Sentei-a na cadeirinha que temos para ela na cozinha.

7h07

Acordou fresquinha que nem uma alface. A Alice.

Gritou para eu a ir buscar ao quarto. Desde Agosto que deixou a cama de grades porque já não cabia nela.

E...

...está instruída para não deixar o quarto sozinha.

Nunca se sabe. Mas até agora tem resultado.

Cheia de coisas para dizer. Desceu as escadas e juntou-se à irmã.

Tomámos o pequeno almoço e antes que o caos se instalasse aqui em casa, peguei nelas e no Vasco e fomos passear.

 

O Pedro dormia que nem uma pedra.

A Gabi contemplava o dono e não disse presente na hora da nossa saída.

 

Estava uma temperatura boa. Fresquinho. Aquele fresquinho que sabe bem.

A Mariana ia acordadíssima no carrinho. E a Alice ia com as suas próprias pernas a cantar rua fora.

Quando entrámos no passeio marítimo estava um cãozinho daqueles tipo caniche.

Pequenino. Eléctrico. E barulhento. Preso a um banco.

Apercebi-me que os donos estavam perto a fazer ginástica.

Mal nos viu. 

O cão mexeu-se.

O cão saltou.

O cão esperneou.

O cão ladrou.

O cão anunciou aos 7 ventos a chegado do anticristo.

 

Adoro animais.

Cães, em particular.

Mas...

....sinto-me pouco confortável com recepções assim.

Passei de fininho pelo cão.

A fingir que era superior ao ruído.

Continuei a empurrar o carrinho da Mariana.

A Alice não fez caso do cão e continuou a cantarolar..

O Vasco ignorou o seu semelhante por completo.

Nada. Nadinha.

Passou no seu porte de rei e continuou a sua caminhada.

 

Parei. Mais à frente.

Dei uma bolacha à Alice.

Dei uma bolacha ao Vasco. (diferente das da Alice)

Dei banana à Mariana.

Esta minha gente está sempre pronta para comer....sempre!

Olhámos para os peixinhos. 

A Alice falou com eles.

- xiiiiiiinhos, xiiiiiiiiinhos....

A Alice disse adeus aos peixinhos.

E voltámos pelo caminho que tínhamos feito anteriormente.

 

Damos de cara com quem???

Com o caniche.

Possuído. 

Mal nos viu largou num pranto.

O cão mexeu-se.

O cão saltou.

O cão esperneou.

O cão ladrou.

O cão anunciou aos 7 ventos a chegado do anticristo.

O cão guinchou. 

O cão chamou o 112. Os Bombeiros. O Exército. A Marinha. O instituto de socorros a náufragos e a polícia montada a cavalo.

 

O Vasco chegou-se. 

Não lhe ladrou sequer.

Foi um rugido. No ouvido. 

Um Liedson...

Leve. Levezinho....

 

O cão calou-se.

O cão mudou de cor.

O cão fez cocó! 

(não foi cocó, cocó......foi um mundo de cocó....tipo BUUUUMMMM!

 

A dona gritou:

- O seu cão é maluco?? Olhe o que ele fez ao mimoso...

E eu respondi..

- É maluco, é! É do Sporting...

Sorri-lhe.

Peguei em mim, maluca e nos meus três malucos. 

Voltamos para casa.

Para nos juntar rapidamente aos outros dois malucos que tinham ficado em casa.

Assim como assim só se estraga uma casa...

 

 

28 comentários

Comentar post

Pág. 1/2