Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Kiosk da Joana

Kiosk da Joana

momento Calimero!

15.05.19, Joana Marques
A Mariana é uma calmaria.  Durante os primeiros dias ia dizendo ao Pedro. - Esta miúda ainda não percebeu que nasceu! Dormia. Dormia. Dormia. Passou o primeiro mês. E eu continuava a dizer! - Não percebeu que nasceu. Não sabe que a vida de olhos abertos tem outro encanto... Senhora Mariana, qual bela adormecia..... ....só dormia. Estávamos a chegar ao segundo mês. - Pedro. Vê lá bem a tua filha...será que está tudo bem com ela? O Pedro riu que nem um perdido. Gozou (...)

em sintonia...

14.05.19, Joana Marques
Detesto GPS. Nunca tive. Atendendo que o meu sentido de orientação é igual ao de uma batata. Este capricho tem-me deixado muitas vezes mal. Foi com grande alivio e satisfação que constatei que casei com um homem que adora conduzir. UM ponto a favor! Eu não gosto nada. Tem um sentido de orientação que se pode mesmo chamar assim. Nunca se perde! Dois pontos a favor! E GPS?? - Tens GPS?? Pedro! Tens GPS?? Perguntei eu a testar o homem. - Não! Nunca tive. Nunca precisei. Mil (...)

Podia ir melhor. Podia ir melhor...

02.05.19, Joana Marques
A Alice entrou naquela fase! Diria que na adolescência mas ao que parece ainda é cedo para isso. Com 2 anos, pequena criatura acha que manda. Em todos! Normal... ..normal também é nós os adultos. Eu e o Pedro. Contrariarmos pequeno ser.... Não é fácil. Nada fácil. Às vezes dói. Mas tem de ser....   O dia a dia é desarrumar todos os brinquedos que tem. E espalha-los de preferência pelo maior número de assoalhadas possível. Normal. Tudo normal.   Depois de brincar um minuto (...)

adaptação...

04.04.19, Joana Marques
A Alice desde que a irmã nasceu está menos independente. Exige muito mais colo. E atenção. Choraminga por coisas que nunca choramingou. É compreensível. E por isso tenho feito por ter a atenção que precisa. Todos os dias ou quase todos os dias o Pedro fica com a Mariana e saio um bocadinho com a Alice, para ter a mãe só para ela. Vamos ao jardim. Anda de baloiço. Passamos pela praia.  Na sesta da tarde, um dia conto eu a história outro dia conta o Pedro. E à noite trocamos. 

A nossa casa. É. Onde está o nosso coração.

25.02.19, Joana Marques
Ontem. Saímos de manhã e fomos até ao Marechal! Traduzindo, fomos até ao Parque Marechal Carmona em Cascais. A Alice correu. O Pedro também. Atrás dela. Eu. Arrastei-me. Rebolei-me. E andei conforme o meu corpo de mastodonte foi permitindo. - Ó mamã! Apanha-me. Apanha-me! Pois sim! Querida filha. É tão crédula esta miúda. Capaz de acreditar no Pai Natal e tudo!   Pela hora do almoço. Rumámos até casa dos meus pais. Almoçámos. A Alice dormiu a sesta. Quando acordou pelas (...)

10$00 de tremoços

11.02.19, Joana Marques
O meu avô era um homem grande. Robusto. Não falava alto mas fazia-se ouvir. Tinha uma voz grave que ecoava pela casa inteira. Tinha um certo medo dele. Não tinha o à vontade que tinha com a minha avó. Não tinha coragem de abrir a boca e dizer quase a chorar: - Ó vó se não tiver o pijama da Abelha Maia, morro. Um drama à escala do meu mundinho pequeno não podia ser partilhado com aquele homem sério e importante. Era a mais nova dos netos. Muitos já eram adultos, interessantes e (...)

o primeiro amor nunca se esquece

31.01.19, Joana Marques
A Alice começou a frequentar um infantário. Não vai todos os dias. E quando vai é raro ficar mais do que 4 horas. O infantário é mesmo aqui à porta de casa. Sempre que passamos por lá, ela acha que vai ficar lá e reclama quando percebe que afinal não é para lá que vamos. E quando a vou buscar. Vem sempre super bem disposta. Faladora. - Déeeeeee. Muitas coisas não percebo. Mas finjo que percebo tudo.  E ela lá continua... - Bla, bla, bla, bla....déeeeeeeeeeeeee. E ficamos (...)

E eu disfarcei uma lágrima

21.01.19, Joana Marques
Fui com a Alice ao pediatra. Rotina. Para ver se está tudo a correr bem.  Está tudo a correr bem!   Quando lá cheguei estavam uns quantos miúdos a brincar no mini parque infantil que está a um canto da sala de espera. A Alice fez logo sinal que queria ir brincar também. Deixei-a. Agarrou logo nuns cubos e começou a emparelha-los uns em cima dos outros. Juntou-se uma miúda. Reclamação de uma. Reclamação da outra. Gritinho para cá. Gritinho para lá. Lá iam as (...)

esta miúda vai-me dar tanto trabalho...

16.01.19, Joana Marques
Desde este post até ao dia de hoje não mudou muita coisa. E para dar este passo foi preciso mentalizar-me bem mentalizada. O passo que dei não foi bem um passo, foi um passinho. Pequenino. Mais pequeno que os passos da Alice.   A ideia nunca me seduziu mas era uma questão de tempo. Pelo menos aos 3 anos tinha de ir. A nossa casa tem dois infantários muito perto.  Quando passamos por aquele que está (...)

entre mãe e filha...

14.01.19, Joana Marques
Acabei de ter esta conversa com a Alice!   - Tens fome? Queres uma torrada? A Alice adora pão torrado com Nutella. - Não, mamã.  E nisto vira as costas e diz-me... - Adeus! Adeus! - Onde é que tu vais, Alice? - Jantar. A Alice já jantou está quase a ir para a cama. No máximo dos máximos dou-lhe uma fruta ou uma torrada.  - Ah! Está bem. Bom jantar! E o que é que vais comer? - Torrada!   Há dois (...)

é a vida!

11.01.19, Joana Marques
É a vida! O tempo está frio. É a vida! O abacate está caro mas já foi pior. É a vida! Estou a caminho da obesidade mórbida. É a vida! A Alice não pára de crescer. É a vida! O meu Sporting vai jogar amanhã e eu já sinto um nervoso miudinho a percorrer-me o corpo. É a vida!   Na vida o que não tem remédio. Remediado está.  Sabem o que vos digo? É a vida!   É a vida! É uma expressão que eu uso quando quero dizer que não há nada a fazer. Não controlamos (...)

em menos de um fósforo..

08.01.19, Joana Marques
No sábado o Pedro trabalhou até às 16h. Era fim de semana mas deixei a Alice de manhã em casa dos meus pais. Quando o Pedro trabalha faço de conta que é dia de semana para mim. Trabalho e faço a folga quando o Pedro a tem. No sábado parei de trabalhar antes da hora de almoço. Os meus tios que moram em Santarém iam almoçar a casa dos meus pais e acabei por me juntar a eles.   No fim do almoço. Disse à Alice. - Vamos embora... ....vai buscar a tua mochila. A miúda (...)

é de pequenino que....

03.01.19, Joana Marques
Desde que sou gente que me lembro de sermos incitados principalmente pela minha mãe a fazer pequenos trabalhos domésticos lá em casa. Dependia da idade, claro! A partir dos 7 anos fazíamos a cama todos os dias mas não a mudávamos. Limpávamos as casas de banho uma vez por semana. Tínhamos um esquema rotativo. Tal como para a loiça. A loiça do jantar era por nossa conta, um lavava, outro limpava e o terceiro arrumava. Mas rapidamente combinámos entre nós que a cada dia um fazia (...)

e isto é um facto inegável. Como 2+2=4!

27.12.18, Joana Marques
Fui buscar-te num dia frio. Muito frio. Faz hoje um ano. Pouco sabia de ti. Sabia que te chamavas Alice. E que tinhas 8 meses. Para mim não foi preciso mais para te amar.  O teu avô foi comigo. Vê-lá tu. Eu tinha partido uma perna. E no dia antes de te ter ido buscar tinha ido tirar o gesso. Sentia a perna tão frágil que achei que ainda a perdia pelo caminho.   Chegámos cedo. Foram-te buscar. O teu avô queria pegar-te ao colo por causa da minha perna. Eu não deixei. Porque eras (...)

A minha miúda é.....

14.12.18, Joana Marques
Deve ter sido a fase mais negra da minha existência. Não foi bem a mais negra. Lembro-me de uma em particular em 2014. Pronto! Foi a segunda fase mais negra da minha vida. Quando parti a perna em Amesterdão estava sozinha com o cão. Tive a ajuda preciosa da minha amiga que me ajudou a partir a perna e que muito agradeço. Não agradeço o contributo dado no esbardalhanço mas a assistência e o acompanhamento. O estar só com o cão. Num outro país. E ainda por cima com mobilidade (...)