Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Quiosque da Joana

04.10.18

Hoje. E todos os dias...

Joana Marques

Vou escrever sobre o meu melhor amigo. 

 

 

É generoso. Bom companheiro.

Preguiçoso. 

 

Tem uma gula do tamanho da Austrália. 

E os seus princípios são do tamanho da ilha do Corvo.

 

Tem 5 anos mas parece que só cresceu em tamanho.

Às vezes faz birras. É teimoso, teimoso, teimoso.

É uma ternura!

Tem um coração enorme.

É hipocondríaco.

É persistente. Atirou uma bomba ao destino. E por isso ainda está vivo.

Não desistiu à sentença de morte que lhe deram nos primeiros dias.

 

Gosta de partilhar cama com os humanos. Mesmo quando estão 40º à sombra.

O melhor lugar é dele! Os outros que se amanhem.

 

 

Rouba. Sem sentir qualquer arrependimento.

É o mais simpático dos seres.

Tem um charme que nos tira o tapete.

É um manipulador. Nunca o olhem nos olhos....ou acabam sem nada de nada...

 

Tem cor de leão.

E parece um leão. Aliás, vive de aparências. Dizem que é um Golden, mas não é. Só parece.

Vive todos os dias como se fosse o primeiro ou o último.

É fotogénico. É um giraço...o mais giraço. 

É lindo de morrer...

 

 

Este amigo tem um nome. Vasco.

É o melhor cão do mundo. 

O meu melhor amigo. O mais fiel de todos.

A sorte que eu tive! No dia em que o encontrei...

...a minha vida mudou substancialmente. Para melhor...

...já aprendi tantas coisas com ele!

Sou melhor pessoa, desde que o conheci. 

 

vasquinho2.jpg

 

Vasco!

Hoje e todos os dias.

Que a vida te sorria como tu sorris para a vida!

 

Há dois anos no Quiosque!

Um assalto do Vasco!

Nunca tinha sentido tanta vergonha na minha vida...

 

 

Há um ano no Quiosque!

Respondi a um desafio.

Adoro responder a desafios!

 

 

Já seguem o quiosque?

 

Instagram

Facebook

handmade life

Bloglovin

06.08.18

Não desperdice esta oportunidade!

Joana Marques

Antes de casarmos, eu e o Pedro fomos convidados para jantar em casa de um colega dele.

Em Maio, acho eu...

 

Eu já o conhecia do hospital. A ele é à mulher, ele é médico e ela enfermeira.

Para mim os jantares fora terminaram desde que tenho a Alice.

Este foi uma exceção. Porque insistiram muito. Porque é um dos melhores amigos do Pedro desde o tempo da faculdade.

Nessa noite a Alice ficou em casa dos meus pais. 

Achei que era mais estável para ela.

No dia seguinte fui busca-la de manhã e passou o dia comigo. 

 

Hoje foi a vez de retribuirmos o jantar. Hoje era o primeiro dia de férias deles. E como amanhã viajam, tinha mesmo de ser hoje!

O Pedro saiu do hospital às 8h da manhã.

Teve tempo de descansar.

A Alice foi para casa dos meus pais. E eu aproveitei o repouso do Pedro para trabalhar.

Já tinha o jantar planeado e meio preparado.

Quando o Pedro acordou almoçámos. Fomos às compras, comprar o pouco que faltava.

Passámos por casa dos meus pais. A Alice e a prima Margarida estavam a dormir. Trouxemos os meus sobrinhos.

Ficaram por aqui de tarde.

Eu e o Pedro fomos avançando com os preparativos.

Ainda estivemos com os miúdos.

E antes de trocar os meus sobrinhos pela Alice deixámos a mesa pronta.

 

E o Vasco? Perguntam vocês...

O Vasco anda doente com o calor.

Hoje já esteve mais fresco mas tem andado de rastos.

Passa os dias estendido na casa de banho. Qualquer uma....

Apanhar o fresco dos mosaicos é o que o vai salvando.

Bem lhe dou água com gelo. O cão chora com o calor.....

 

É claro que ter convidados em casa com um cão como o Vasco é um desafio.

Nunca sabemos....

NUNCA SABEMOS....

 

Chegou o Carlos. Chegou a Paula.

A Alice nestes dias nunca vai para a cama a horas.

Quer ficar.

Eu deixo.

Já tinha jantado mas esteve sentada na cadeirinha e foi petiscando da nossa comida. Sempre bem disposta...

Até que adormeceu. E eu fui deita-la.

 

Ficámos os 4. 

E o Vasco? Perguntam vocês?

Meu rico filho! Nem deu sinal de vida.

Lá continuava na casa de banho.

Antes do jantar passei por lá e deixei-lhe...adivinham?

Frango assado, claro!

E água. 

O frango foi logo. A água foi indo aos poucos....

Deixei-lhe água na banheira. Não muita...o bastante para se ir refrescando...

 

 

Estávamos nós a conversar.

Por acaso tive sorte....não falaram de trabalho. Ou estaria lixada. Com L do tamanho de um pequeno cachalote!

Dois médicos, uma enfermeira e uma Joana...

Senti o Vasco.

Subia as escadas...

..um degrau de cada vez. E cada vez com mais pressa...

Tínhamos a porta do terraço aberta e corria uma aragem. Se calhar foi por isso que decidiu aparecer.

Lá vinha ele.

Um pequenino enfarte. No meu coração.

Tudo se espera do cão.

À porta da sala lá estava ele.

O focinho molhado, deduzi que tivesse bebido a água que lhe deixei.

Depois percebi que deve ter estado dentro da banheira....

....deitado. Com água até ao dedo mindinho...

Estava molhado mas nada demais...

 

O cão olhou para nós.

O cão dirigiu-se a nós.

O cão escolheu o Pedro!

Quem dá comida, quem é? O Pedro!

Quem não diz nunca que não? O Pedro!

Por isso em alturas de banquete. O Pedro é o escolhido!

O Pedro apresentou o Vasco ao Carlos e à Paula.

Ao mesmo tempo fez-lhe uma festa.

O Vasco levantou-se e ficou quase ao nível do Pedro.

E contente abriu a boca. O Vasco sabe sorrir e rir. E por isso...riu-se para o Pedro.

E quando se riu...saiu da boca dele...

.....uma bola de sabão.

 

Uma bola de sabão a voar na minha sala.

Vimos todos.

Achámos todos.

-Olha, olha estou a ver coisas...credo! Ia jurar que saiu uma bola de sabão da boca do cão!

 

Duas, três bolas de sabão.

- O que raio é que está a sair de dentro da boca do cão?

- Parecem bolas de sabão!

- Nãaaaaaaaaaaaaao. 

 

Muitas bolas de sabão a sobrevoar a minha sala.

- Eu acho que são mesmo bolas de sabão!

- Como?

- Não pode ser. Não pode ser.

 

E de repente naquela sala. 4 adultos riam-se como nunca se tinham rido na vida.

Chorámos a rir.

O narizes ficaram ranhosos.

O nosso jantar esteve em vias de ver a luz do dia.

A dor na barriga era tão ou maior do que se tivéssemos feito 45 abdominais em 2 minutos.

E o cão?

O cão cuspia bolas de sabão...

 

Entretanto fui à casa de banho. Ver com os próprios olhos.

Eu faço os meus próprios sabonetes.

O Vasco comeu um sabonete de azeite.

Já liguei ao veterinário. Vamos estar atentos mas em principio não haverá problema. 

 

Sempre que tiverem uma festa e precisarem de animação pensem em nós....

...fazemos casamentos.

Baby showers.

 

Batizados.

Aniversários. Primeira comunhão. Crisma..tudo o que vem à rede é peixe!

Festas da aldeia.

Festas da cidade. Festas de vilas e de terras assim, assim....

Neste momento atuamos em Carcavelos. Mas estamos disponíveis para conquistar o mundo....

Não desperdice esta oportunidade!

 

....eu faço sabonetes. O Pedro costura rins. A Alice tem uma varinha mágica. A sementinha dá piruetas e mais piruetas dentro do meu útero.

E o cão cospe bolas de sabão...

 

 

 

Há dois anos no Quiosque!

Não escrevi post!

 

 

Há um ano no Quiosque!

Um post sobre o Vasco!

Este post foi destaque na página principal do Sapo.

O Vasco é um cão destacado...não sei porquê.

 

 

Instagram

Facebook

Handmade life

Bloglovin

 

02.08.18

guardem segredo. E deitem a chave fora!

Joana Marques

Ontem, quarta feira, dia do Pedro operar.

Entrou às 8h da manhã, deveria sair às 16h mas nunca sai. Nos dias em que opera pior.

De manhã deixou a Alice em casa dos meus pais.

 

Comecei a trabalhar cedo. Antes das 8h.

O dia rendeu muito.

Parei para almoçar e adiantar algumas coisas. 

Trabalhar em casa é muito bom. 

Voltei ao trabalho e mais ou menos às 16h parei.

Fui buscar a Alice. O cão fez-se convidado. Foi comigo.

Chegámos ainda a Alice dormia a sesta da tarde.

Fiquei à conversa com os meus pais.

Recebi uma mensagem do Pedro a confirmar o que já sabia.

Não ia conseguir sair às 16. Lá para as 20h dizia ele na mensagem.

 

A Alice acordou. Lanchou.

Peguei nela e no Vasco e fomos para um parque aqui para as nossas bandas.

Tenho sempre no carro uma manta. Estendi a manta. Para a miúda andar à vontade.

Soltei a fera.

Não havia ninguém no parque. Ou melhor...

...havia uma ou outra alma penada. Mas pouca gente.

Não vi ninguém a comer. Soltei o Vasco.

 

A Alice brincava com uma bola. Cor de rosa.

E eu brincava com ela.

Estava aquele calor bom! O bafo do dia já tinha ido. Só tinha ficado o calor que eu gosto.

A miúda estava com uns calções. Cor de rosa.

E uma t-shirt levezinha. Branca.

O Vasco andava por ali. Perto de nós. 

Ora se atirava para a relva. E se revirava todo. Ora corria muito depressa. E voltava. Com sérios problemas na travagem...

Fazia sons de contentamento.

Às vezes corria e eu deixava de o ver. Mas se o chamasse vinha logo.

Só faltava o Pedro e o momento seria perfeito.

 

De repente.

Num desses momentos em que desapareceu.

Voltou com algo na boca.

Sementinha quase me saltou pela boca.

- Incrível. Já roubou alguém....

Não!

Ou melhor, sim!

Mas não é nada do que estão a pensar. Não é nada do que eu pensei.

- Caneco. Preciso mesmo de ir ao oftalmologista. Parece mesmo, mesmo uma tartaruga....

 

Vasco trazia uma tartaruga na boca.

Não era do tamanho daquelas que o Mário Soares um dia se sentou mas já era uma tartaruga. 

Por momentos achei. O Vasco comeu a tartaruga. E deixou a casca porque é rija.

Largou-a ao meu colo.

E percebi que embora recolhida, a carapaça da tartaruga tinha conteúdo.

Fiquei ali uns momentos sem saber o que fazer.

Liguei ao veterinário.

- Se calhar tem algum problema. Passa por aqui, deixa-a cá que eu dou-lhe uma vista de olhos.

- Estás doido? Queres que eu roube uma tartaruga?

- Não é roubar. Eu dou uma vista de olhos e depois devolves...mas tu é que sabes. Está nas tuas mãos...

Desliguei o telefone.

Pois, claro. Joana. 37 anos. Grávida. Acompanhada com uma filha de pouco mais de um ano e um cão. Estava prestes a roubar uma tartaruga  num parque público.

Dúvida! Roubo ou não a tartaruga?

Não!

Dúvida. Onde é que eu escondo a tartaruga para ninguém ver que eu roubei uma tartaruga num parque público.

Será que tem câmaras de vigilância.

 

 

Para grande espanto da Alice, saiu do parque no seu próprio pé. Quando o Vasco está comigo a Alice vai sempre no carrinho.

E a tartaruga foi no carrinho da Alice, assim como quem não quer a coisa.

Fui ao veterinário com a tartaruga. Tem uma infeção ocular. Está a ser tratada.

Menos de uma semana estará de volta ao parque totalmente recuperada.

Eu, só tenho de voltar lá. Entrar como quem não quer a coisa. Com uma tartaruga escondida nem Slimani sabe onde. E devolve-la.

Só!

Fácil. Fácil.

Não me denunciem!

Não digam nada, por favor...

Guardem segredo! E deitem a chave fora...

 

 

Há dois anos no Quiosque! 

Problemas amorosos. Dúvidas. E todo o tipo de parvoíce.

Escrevi este post num desses dias.

Prometia acabar com a neura em 11 passos.

 

 

Há um ano no Quiosque!

Dei a conhecer as peças da Cutchi.

Continuo a ser fã.

Se não viram na altura, têm mesmo de conhecer.

Vale muito a pena!

 

 

Instagram

Facebook

Handmade life

Bloglovin

 

 

 

27.04.18

4 anos de Vasco!

Joana Marques

vasco1234.jpg

O Vasco faz hoje anos. 4 anos.

Não vou voltar a contar a história de vida dele, porque já o fiz, o ano passado.

 

Este ano vai ser diferente.

Para comemorar este dia especial.

Ao longo do dia serão publicadas histórias sobre o Vasco. Nunca antes contadas...

Até lá. Podem olhar para foto. Vá-la....

Façam o favor de se derreterem....

 

Eu não posso!

 Posso...

....mas não devo.

 

Tanta fofura.

Provoca em mim.

Um enfraquecimento.

Perigoso.

Muito perigoso.

 

Não posso olhar. Não posso olhar. Não posso olhar. Não posso olhar.

Ou, vou acabar com o frigorífico vazio....

 

22.02.18

uma pessoa. Eu!

Joana Marques

Uma pessoa. Eu!

Adormece já depois das duas horas da manhã.

Dizer que a noite de segunda para terça foi passada numa viagem longa. Luanda. Lisboa.

Para agravar. Vasco e Alice estavam possuídos e demasiado felizes.

Desconfiei da água que beberam. Do ar que respiraram.

Mas acho que foi só pela minha presença. A minha presença dá-lhes para isto.

Sou a cafeína na vida deles. 

Como fazia anos. Foi um dia cheio de solicitações.

Telefonemas. Mensagens. Almoço. E jantar.

E como tinha estado fora. Tinha muitos comentários do blog para responder.

Email's para enviar.

Um dia bom. Mas um dia enorme.

 

 

Uma pessoa. Eu!

É acordada pelo ditador da casa.

Às 5h30 da manhã. Em ponto.

Não o costumo fazer. Mas ontem aconteceu.

Tentei protelar o momento.

- Só mais 5 minutos.

- MAIS 5 MINUTOS?? E EU FICO À ESPERA?? NEM PENSES!! TOCA A LEVANTAR!

- 4 minutos?

- LEVANTA-TE!

- 3 minutos?

- LEVANTA-TE, PREGUIÇOSA!

- 2 minutos e dou-te um frango assado.

- JÁ! OU CHAMO A POLÍCIA!! O CORPO DE BOMBEIROS! O CORPO NACIONAL DE ESCUTAS! E O INEM! LEVANTA-TE, JOANA! ONDE É QUE JÁ SE VIU?? ACORDA, MULHER...

 

Uma pessoa! Eu!

Sai da cama.

Contrariada. Aos tropeções.

- ATÉ QUE ENFIM! O FRANGO ASSADO É PARA ENTREGAR À HORA DO COSTUME, AO CUIDADO DE VASCO MARQUES.

 

Uma pessoa. Eu!

Vai a dormir. À casa de banho.

Abre a torneira, para aquecer a água.

Tira a roupa.

E entra na banheira. Para um duche. Rápido. Mas com efeito energizante. Pelo menos é o que espero.

Entre o shampoo e o sabonete.

Sinto. Algo estranho.

Aquela sensação desagradável.

De não estar sozinha.

Parecia mesmo que alguém me estava a vigiar.

A casa do meu irmão é no rés do chão. O condomínio é privado. Mas naqueles segundos imaginei alguém a saltar o muro. A entrar pela varanda.

- Será que tranquei as portas da varanda?

E com muito medo. Viro-me. E ao mesmo tempo que me viro. Sinto um bafo quente na minha perna. E uma rosnadela.

Com mil Slimanis!

Com mil jogos de 98 minutos!

Com mil assembleias gerais!

Raios e coriscos me valham! Apanhei! O maior susto minha vida.

Estive a um passo de me estender ao comprido na banheira. E de partir um ou outro osso mais solto.

Tive a inteligência de me segurar ao cortinado da banheira.

Que por acaso.

Com a força. Eu, naquele momento parecia o Hulk. O homenzinho verde não o ex do FCP.

 

O cortinado.

Despenhou-se.

Consegui equilibrar-me.

Mas o cão ficou coberto pelo cortinado colapsado. E falecido.

Assustou-se.

E primeiro que o conseguisse acalmar. Nem fazem ideia.

 

Uma pessoa. Eu!

Teve de assaltar o congelador.

Descongelar. O frango assado.

E envia-lo a Vasco Marques.

O frango foi recebido com entusiasmo. E foi comido. Peça por peça.

 

Uma pessoa. Eu!

Apanhou o susto maior da vida.

Fiquei azul.

Hipotermia. No mínimo.

Mas....

....fiquei bem acordada o resto do dia.

 

...os vossos despertadores têm TUDO! A aprender com o meu....

 

02.02.18

tough little girl...

Joana Marques

Vasco.

Está histérico. E louco de felicidade.

Não trabalhei hoje. Estive o dia todo com ele e com a Alice.

Passeámos sem pressas.

Fomos à praia. Fomos ao jardim.

Almoçámos.

Dormiram os dois a sesta de manhã e de tarde.

E como se proporcionou. O Vasco aprendeu uma habilidade nova.

 

Sentei a Alice no chão.

Fiz-lhe origamis de várias figuras e com papel colorido.

E ela diverte-se a olhar para eles.

E a pôr e a tirar os origamis de dentro de uma caixa.

É uma brincadeira tão simples e que ela adora.

O Vasco, apareceu de repente. E tirou-lhe a chucha.

Fugiu.

Ficou entre a porta do quarto com a chucha.

- Nha nha nha...eu tenho a chucha e tu não.

A Alice.

Primeiro ficou meia atarantada.

- O que é que aconteceu? O que é que aconteceu?

Depois percebe.

Olha para o Vasco.

E ri-se que nem uma perdida.

E faz-se à estrada. A gatinhar tenta recuperar o que lhe pertence.

O cão com a alegria e a loucura deixa cair a chucha no chão.

Eu apanho e dou uma limpinha à Alice.

 

Continuamos nas nossas brincadeiras.

E o Vasco ronda. Rouba uma meia à Alice.

A Alice ri-se às gargalhadas.

 

O Vasco olha para as minhas meias.

Não teve coragem.....

02.02.18

stop! Ninguém pára o Vasco...

Joana Marques

Perto da casa dos meus pais há um sinal de stop.

Segundo os meus pais, sempre que o Vasco está em casa deles e eu paro no sinal de stop o Vasco sabe que estou a chegar.

E vai para o pé da porta.

Esta situação tem-me deixado muito apreensiva. Devo confessar.

Ou ando a pôr perfume a mais. Ou o meu odor corporal, já teve melhores dias.

 

Ontem também parei no stop.

 E lá aconteceu.

Os meus pais estavam na sala a ver televisão.

E de repente saiu do escritório um cão a alta velocidade.

Derrapou no chão de madeira.

Bateu na porta da cozinha.

- A Joana chegou.

 

Ainda fui deixar a minha irmã a casa dela.

Mora perto dos meus pais.

Entrei para cumprimentar o meu cunhado, o meu sobrinho Pedro e a minha sobrinha Inês.

Numa casa bem perto, um cão dava saltos, ladrava e dizia:

- A Joana vem aí, a Joana vem aí. O que fazem aí parados...a Joana vem aí!

Uma pessoa até acha que é importante.

Nem o presidente da junta tem este tipo de recepção.

 

Cheguei por volta das 22h.

Estacionei o carro.

Ainda não tinha saído do carro já o ouvia.

Mais. Já o via.

Se espreitasse pelo muro. Via, pela janela, um vulto de qualquer coisa aos saltos.

Era o Vasco.

Os meus pais abriram a porta.

E ninguém pára o Vasco....

Num momento estava a abrir o portão. No outro tinha um cão de 30 kg ao colo. A lamber-me a cara.

 E já não houve Joana para ninguém. Ele não deixou.

Não consegui cumprimentar o meu pai nem a minha mãe convenientemente....é por estas e por outras que eu vou acabar solteirona...

 

A Alice já estava a dormir. E não acordou com o alarido. O que parece mentira.

Acabei por ficar a dormir em casa dos meus pais. Com companhia...claro!

Hoje de manhã tinha 30 kg em cima das minhas costas. E um focinho colocado no meu pescoço...

 

Mal acordei fui logo ao quarto da pequena.

Queria ver a Alice acordar.

E vi.

Lá estava eu. E o cão. De sentinela.

A olhar para ela.

Quando me viu. Fez o sorriso mais bonito que eu já vi.

E eu....

....eu chorei como uma Madalena...

 

 

 

22.08.17

quiosquianos. Atenção!

Joana Marques

Adoro este espaço.

O sapo blogs tem sido a minha casa desde há um ano e pouco.

E desde o primeiro dia que me sinto bem....

Tem sido perfeito. Tudo funciona bem!

Para além de ter o blog. Se tiver alguma dúvida ou algum problema temos uma equipa que nos ajuda a resolver aqueles pormenores...que para nós são importantes.

 

Logo no inicio aparecia no final dos meus posts a palavra "gravar". Era estranho. Muito estranho.

E quem me ajudou nessa altura?

A equipa do sapo blogs.

E! Resultou...claro!

Esta ajuda faz a diferença entre esta plataforma e as outras.

 

Pois bem, esta equipa não satisfeita e insatisfeita, não dorme em serviço.

E por isso, volta e meia tem novidades.

Boas.

Facilitam-nos a vida. A nós que escrevemos o blog. E a vocês que passam por cá.

Se quiserem comentar algum post vão perceber que o formulário, aqui do Quiosque, está alterado.

Está mais simples.

Com bom aspecto.

Muito funcional.

Quem não tem conta no sapo pode a partir de agora comentar os posts a partir do perfil de facebook.

 

Podem ler aqui o post escrito pelo Pedro do sapo.blogs para ficarem a par das novidades.

 

Espero sinceramente que usem e abusem do novo formulário.

Sem vocês isto não tem graça nenhuma....a sério!!

Pode acontecer, nesta primeira fase detetarem alguma anomalia.

Se assim for por favor, digam-me para eu poder reportar a quem percebe mesmo disto.

 

Como forma de testar o novo formulário, dar-lhe as boas vindas e honrar o trabalho da equipa do sapo.

Aqui está um desafio!

 

Numa palavra, como descrevem o indivíduo que aparece na fotografia??

v1.jpg

Joana Marques

foto do autor

Sigam-me

contador de acesso grátis

Links

Grupo no Facebook de Partilha handmade! 💝

As histórias do cão! 🐶

Tricot 🌺

Crochet 🌻

Receitas 🍳🥦🥧

Planear ⌚📅 📊

Comentários recentes

  • Joana Marques

    É demasiado alto para o Vasco lhe chegar......já o...

  • Joana Marques

    acho que não...é inofensivo o livro...

  • Nuno

    E cheiram é que iram sair muitas histórias para aq...

  • Happy

    O contador da água???Bem, se é Vasco-safe, podes u...

  • Joana Marques

    adoro o meu livro novo!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D